Minhas leituras em abril

Quem me acompanha a um tempinho sabe que amo livros e planejamento, então hoje trouxe para vocês os livros que eu separei para ler esse mês, lembrando que minha meta é ler quatro livros por mês.

Também tenho tentado ler livros que eu não costumava ler e confesso que tenho gostado muito e me surpreendido com alguns títulos e autores, é sempre bom expandir suas opções e aprender um pouquinho com cada percepção e visão de mundo, um livro é capaz de nos fazer conhecer novos lugares (através do imaginário) e culturas.

Bem, mas vamos lá… vou apresentar cada um deles  e quem sabe você se anima a ler algum comigo.

1- Em algum lugar nas estrelas, Clare Vanderpool, editora Darkside, 276 páginas.

“A grande ursa negra, impressionante como a Ursa Maior, balançou a cabeça de um lado para o outro, e seu rugido fez tremer a passagem próxima da Trilha Apalache. Eu digo que é ela, mas a verdade é que não dava para ter certeza. Não havia marcas que indicavam que era fêmea. Não havia filhotes à vista. Mas eu sabia. Eu a conhecia como conhecia minha própria mãe. Era sua postura – a autoridade absoluta sobre nós, dois garotos presos por seu olhar. E era sua vontade inabalável de nos manter vivos.”

É dessa forma que a autora inicia o livro, que traz uma personagem com TEA (transtorno do espectro autista) e dia 02 de abril é o Dia Mundial da Conscientização do Autismo e existem vários níveis diferentes de autismo.

O livro é muito fofo, em sua estética, tem capa dura, estou gostando muito da leitura até o momento, depois vou escrever uma resenha, esse foi o livro escolhido pelo Clube do livro Infinistante, criado pela Maki, Mel e Loma, quem quiser se inscrever no clube é só clicar aqui.

2- O diário de Anne Frank, Tradução de Alves Calado, 49ª edição, editora BestBolso, 373 páginas.

Trata-se do relato de uma menina judia que ficou escondida anos em um sótão em uma casa se escondendo dos nazistas, junto com sua família, para tentar em vão sobreviver. Como gosto de usar diário em tópicos, esse texto em forma de diário e relatos curtos é de grande interesse para mim. Saber extrair apenas aquilo que é importante relatar no nosso dia a dia é um grande exercício.

3- O pequeno príncipe, Antoine de Saint-Exupéry, editora agir, 95 páginas.

Na contracapa do livro está escrito “Livro de criança? Com certeza. Livro de adulto também, pois todo homem traz dentro de si o menino que foi. Como explicar a adoção deste livro por povos tão variados, em tantos países de todos os continentes? Como explicar que ele seja lido sempre por tantos milhões e milhões de pessoas? Como explicar a atualidade deste livro traduzido em oitenta linguas diferentes? Como compreender que uma história aparentemente tão ingênua seja comovente para tantas pessoas? O Pequeno Príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia a dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino.” – Amélia Lacombe

Li esse livro quando era criança, ganhei de minha madrinha e estou ansiosa para ler novamente, espero conseguir fazer uma resenha sobre ele.

4- Amor e gelato, Jenna Evans Welch, editora Intrínseca, 319 páginas.

Trata-se de um romance que tem como plano de fundo a linda cidade de Florença, então estou muito empolgada para conhecer os lugares e a cultura, a autora viveu em ali parte de sua adolescência.

Texto da contracapa: “Florença é o lugar perfeito para se apaixonar e o pior lugar para ficar de coração partido”.

5- A travessia, William P. Young, Editora Arqueiro, 197 páginas.

Contracapa: “Jesus pegou a mão de Tony. – Na jornada que está prestes a começar, você poderá escolher curar fisicamente uma pessoa, mas só uma. Assim que escolhê-la, a sua jornada chegará ao fim. – Posso curar uma pessoa? Está me dizendo que sou capaz de curar quem eu quiser? – Na mesma hora, seus pensamentos se voltaram para o seu próprio corpo em um quarto de UTI. – Deixe-me ver se entendi. Posso curar qualquer pessoa que quiser? Jesus se inclinou na direção dele. – Na verdade, você não pode curar ninguém, não sozinho. Mas estarei do seu lado, e a pessoa por quem você decidir orar, eu a curarei através de você.”

“Um derrame cerebral deixa Anthony Spencer, um multimilionário egocêntrico, em coma. Quando “acorda”, ele se vê em um mundo surreal habitado por um estranho, que descobre ser Jesus, e por uma idosa que é o Espírito Santo. À sua frente se descortina uma paisagem que lhe revela toda a mágoa e a tristeza de sua vida terrena. Jamais poderia ter imaginado tamanho horror. Debatendo-se contra um sofrimento emocional insuportável, ele implora por uma segunda chance. Sua prece é ouvida e ele é enviado de volta à Terra, onde viverá uma experiência de profunda comunhão com uma série de pessoas e terá a oportunidade de reexaminar a própria vida. Nessa jornada, precisará “enxergar” através dos olhos dos outros e conhecer suas visões de mundo, suas esperanças, seus medos e seus desafios. Na busca por redenção, Tony deverá usar um poder que lhe foi concedido: o de curar uma pessoa. Será que ele terá coragem de fazer a escolha certa?”

6- Serafina e a capa preta, Robert Beatty, Editora Valentina, 240 páginas. Livro 1

Apresentação do livro: “Serafina nunca teve motivos para desobedecer ao seu pai e se aventurar além da Mansão Biltmore. Há espaço de sobra para ser explorado naquela casa imensa, embora ela precise tomar cuidado para jamais ser vista. Nenhum dos ricaços lá de cima sabe da existência de Serafina; ela e o pai, o responsável pela manutenção das máquinas, moram secretamente no porão desde que a garota se entende por gente. Mas quando as crianças da propriedade começam a desaparecer, somente Serafina sabe quem é o culpado: um homem aterrorizante, vestido com uma capa preta, que espreita pelos corredores de Biltmore à noite. Após ela própria ter conseguido – depois de uma incrível disputa de habilidades – escapar do vilão, Serafina arriscará tudo ao unir forças com Braeden Vanderbilt, o jovem sobrinho dos donos de Biltmore. Braeden e Serafina deverão descobrir a verdadeira identidade do Homem da Capa Preta antes que todas as crianças…
A busca de Serafina a levará ao interior da mesma floresta que tanto aprendeu a temer. Lá, descobrirá um esquecido legado de magia, que tem relação com a sua própria origem. Para salvar as crianças, Serafina deverá procurar as respostas que solucionarão o quebra-cabeça do seu passado.”

Descobri esse livro olhando na livraria e a contracapa me chamou atenção, depois conto o que achei.

Bem… são esses livros que pretendo ler esse mês. Espero que tenha gostado e que se anime a conhecer algum deles. 😊

Anúncios

Meu livro do mês – O que o sol faz com as flores

Este mês li vários livros diferentes do que estou habituada, um dos que mais gostei foi O que o sol faz com as flores, da autora Rupi Kaur, e simplesmente fiquei encantada com sua forma de escrever. É uma autora jovem, tem apenas 25 anos, mora no Canadá com os pais e quatro irmãos, mas nasceu na Índia.

O livro foi lançado esse mês pela editora planeta, tem 250 páginas e é dividido em cinco partes que são denominadas murchar, cair, enraizar, crescer e florescer. Os textos são curtos, mas de uma riqueza de sentimentos que prende a cada página, a autora imprime todo o sentimento e sua vivência em cada poema.

Não pretendo aqui fazer uma resenha profunda do livro, apenas citar aspectos que mais chamaram minha atenção. Os textos são fortes em alguns momentos e expressam todo o sofrimento vivido por Rupi e sua família ao chegarem a um novo país, falam de deslocamento cultural, sobre aborto de meninas.

Um dos textos traça o aspecto cultural do infanticídio feminino/feticídio feminino de 1790 até 2012, tem um texto é como se fosse a própria autora pedindo que não a abortassem apenas por ser menina. Cada poema lido nos faz pensar em como nos relacionamos com o mundo ao redor e com nossos sentimentos, nossos corpos, nossa família, nossos parceiros, nossos dilemas.

O que eu mais gostei é a forma como ela expõe seus sentimentos conflitantes e sua dor de forma tão crua e simples, sem muitos floreios, sem romancear. Alguns textos tratam da despersonificação da mulher frente a uma cultura que a trata como objeto descartável.

É um livro de leitura fácil e sem muitos mistérios, alguns poemas são bem simples em sua estrutura, no entanto são de uma simplicidade singela e que compõem de maneira substancial a totalidade da obra.

Quer conhecer um pouco mais sobre o trabalho da Rupi, acompanhe-a pelo Instagram @rupikaur_ tem várias fotos e textos.

Acompanhando minhas leituras

Sou apaixonada por livros e ler é algo que me deixa feliz e realizada, para  mim é um prazer e uma forma de relaxar. E como amo planejar tudo, não é diferente com a leitura, por isso criei várias coleções no meu bullet journal para acompanhar e planejar cada livro que quero ler ou que já li.

Chamo de meu bujo literário e aqui falo um pouquinho de cada uma dessas coleções e de como elas me ajudam a organizar e aproveitar melhor meus momentos de leitura.

1- Minhas metas literárias para 2018:

Esse ano eu pretendo ler 48 livros, para isso eu preciso ler 4 livros por mês, essa coleção me ajuda a saber se estou conseguindo manter essa meta e ajustá-la quando necessário para conseguir atingir meu objetivo. Então fiz 48 campos e coloquei o número, cada vez que termino um livro eu marco um dos campos, bem simples mesmo. Aí, para ficar mais charmoso, usei canetas coloridas e marco com traços coloridos.

DSCN4098

Deixei um espaço embaixo, se eu ler mais do que minha meta tem espaço extra pra marcar. 🙂

2- Livros que eu li: esse layout eu já mostrei aqui, mas sempre é bom lembrar e eu amo essa estante e preencher cada livro desses é muito bom, fica mais completo e é uma vitória conquistada. Aqui eu coloco todos os livros que eu li por diversão, ou seja, não precisei ler para meu trabalho ou para nenhum curso, foi escolha minha mesmo.

Mas lembrando como usa, aqui os livros ficam com as lombadas em branco e quando eu termino de ler escrevo o nome do livro, depois dou uma colorida para enfeitar.

Já usei essa estante de outra forma, eu escrevia todos os nomes dos livros que eu pretendia ler e depois que terminava eu os coloria, mas aí eu ficava na obrigação de ler o livro ou teria que usar correto para tirar o nome, então mudei… essa é a beleza do bujo.

DSCN4106

3- Livros que eu quero comprar: como toda pessoa que gosta de livros eu também leio blogs sobre literatura e procuro sempre referências sobre o tema, então anoto o nome dos livros sobre os quais eu li e me interessei (muitas vezes não lembro o nome do autor mais e não tenho como anotar na hora). então anoto quando chego em casa ou quando consigo.  Quando compro o livro eu coloco um X na frente do nome e quando desisto de comprar eu corto o nome da lista, simples assim.

DSCN4104

4- Livros que eu comprei: Então… quando cada livro dessa lista que falei antes é comprado eu coloco na lista seguinte e separo por mês, geralmente eu compro os livros no início de cada mês e sempre renovo minhas leituras, tenho sido o mais eclética possível. Às vezes compro livros que não estavam na lista de desejos anterior.

DSCN4102

5- Acompanhamento de leituras: como leio vários livros ao mesmo tempo acompanho a evolução das leituras nessa página, separo por capítulo e vou colorindo a medida que eles são lidos. É bom ver a evolução de cada um e dá uma sensação de meta cumprida.

DSCN4099

Bem, esse é o meu bujo literário até agora, mas tem duas coleções que quero fazer, só que ainda estou pensado no layout que vou usar: Acompanhamento de gêneros literários e Completando minhas séries e quando estiverem prontos vou colocar aqui.

Além disso tenho me esforçado para ler livros digitais e quebrar um pouco o preconceito com esse formato de livro, pois a praticidade de ter vários livros a mão e poder ter horas e horas de leitura sempre disponível tem me feito repensar um pouco sobre o tema.

Bem, era isso que eu queria mostrar hoje… espero que tenha gostado. 😉

A leitura e a escrita, uma escolha

Muitas pessoas estranham o uso de um planner ou agenda em papel em plena era digital, acreditam ser mais prático o uso de um app do que de uma agenda. Então porque ir na contramão do sistema?

Eu escolhi usar o bullet journal por ser uma ferramenta organizacional completa, também por acreditar que sua flexibilidade e adaptabilidade são mais condizentes com meu estilo de vida, mas principalmente por me permitir um resgate de escrever e buscar melhorar minha caligrafia, coisas que andam esquecidas em nossos dias.

Eu sempre gostei do contato com o papel, das texturas, dos cheiros, das sensações produzidas, da realização de conseguir fazer uma letra diferente e tentar que cada dia seja mais bonita. Essa é a razão pela qual prefiro os livros físicos aos digitais, todas as sensações que temos ao folhear um livro, ao tocar no livro, fazer anotações, marcações, para mim livros são extremamente pessoais.

DSCN3798

Uma das lembranças que tenho de minha infância é a de quando eu olhava um livro amarelo que era dos meus tios e que tinha histórias que eu gostava, eu o tirava da prateleira e acariciava olhando as figuras e os símbolos, as letras, e eu me encantava quando minha mãe o pegava e lia para mim, era mágico, como aquele amontoado de símbolos se transformavam em algo cheio de sentido e diversão.

A mesma sensação de encantamento acontecia quando eu via minha mãe escrever, seja um bilhete, notas de compra, estudando… eu achava a letra dela linda e esperava que a minha fosse igual. E todo meu anseio era pode dominar aqueles códigos e saber ler e escrever, me comunicar, ter uma voz.

Sim, existem vários estudos neurolinguísticos que mostram a importância da caligrafia no desenvolvimento cognitivo de crianças e na detecção de algumas desordens neurológicas, mas para mim o que realmente importa são as sensações e aquisições que a leitura proporciona, ao terminar um livro você se sente enriquecido, adquire conhecimento, fica mais sensível e criativo, a leitura transforma e liberta a pessoas para inúmeras possibilidades de ser. E o melhor da leitura, ela se adapta ao que o leitor prefere, então basta escolher seu estilo literário favorito e se deleitar.

DSCN3944

Esses livros aí em cima são os que separei para ler esse mês… depois falo um pouquinho deles aqui. Já pensou em qual o próximo livro você gostaria de ler? Qual seu estilo favorito? Compartilhe aqui.

Roube como um artista

Quando comecei a pensar em escrever aqui bateu o maior frio no estômago… E se eu não soubesse o que escrever? E se eu tivesse um branco? E se eu não conseguisse criar os textos? E se, e se, e se…

Então percebi em outros blogs que todos passam por um bloqueio criativo em determinado momento, mas quando isso acontece recorrem a alguma coisa, seja leitura, música ou alguma atividade inspiradora.

Muitas pessoas falavam desse livro: Roube como um artista, Austin Kleon, resolvi comprar para ler e, simplesmente, amei. É uma leitura leve, com várias dicas, como nos fala o subtítulo (10 dicas sobre criatividade). O livro possui 160 páginas, dez capítulos onde cada uma das dicas é desenvolvida, além de muitas citações e vários esquemas e ilustrações que nos ajudam a memorizar e fazem a coesão com o texto.

O livro traz um certo alívio, pois nos faz lembrar que quase nada é original e que toda obra de arte é uma releitura daquilo que já existia previamente e que apenas quando o artista imprime seu estilo é que a torna única.

Esse era o estímulo que eu precisava para aceitar o desafio de escrever e compartilhar com outros meus pensamentos. O livro cita várias coisas que ajudam a organizar as ideias e liberar a criatividade: só devemos escrever sobre o que gostamos, todo artista é um colecionador, não espere saber quem você é para começar e outros tópicos que foram de grande ajuda pra mim.