Ponto a ponto – Introdução

Olá!!! Como percebi que várias pessoas tem dúvidas sobre o método Bullet Journal e como ele funciona resolvi trazer um pouquinho do método de maneira bem detalhada, para isso vou usar dois livros – O método Bullet Journal: Registre o passado, organize o presente, planeje o futuro por Ryder Carroll (criador do método) e Diário em tópicos: Guia prático por Rachel Wilkerson Miller e Beatriz Medina. Então eu recomendo muito quem puder e se interessar comprar os livros.

Usando o método e lendo sobre ele eu me senti superconfortável em usa-lo, pois afinal de contas eu sempre gostei de planejamento e de registrar meu dia-a-dia e meus pensamentos. Quando era adolescente era comum as meninas usarem suas agendas para registrar sua vida e eu também adorava usá-la para anotar minhas memórias, colocar minhas atividades e tarefas e escrever sobre meus anseios e dúvidas, além de guardar todos os papéis de chocolate que eu ganhava, bilhetinhos de amigas, pétalas de flor… no final do ano elas ficavam cheinhas de lembranças e enormes, minha mãe dizia que parecia um leque.

Então quando conheci o BuJo a princípio ele parecia bem complicado, tinha uma linguagem própria, mas me encantou a proposta de novamente ter tudo em um só lugar e agora voltado para a vida adulta e bem mais conciso. No início tive dificuldade de encontrar material sobre o assunto e comecei a olhar fotos no pinterest e ficava frustrada por não conseguir fazer aqueles layouts bonitos e cheios de tabelas, tarefas e tudo mais que encontramos por aí.

Finalmente encontrei o site Bullet Journal do Carroll e aí é que fui me encontrando, vi um vídeo que resume bem o método e comecei entender realmente a essência e fui entendendo a melhor forma de adaptá-lo a minha realidade. Então assim que saiu o livro O diário em tópicos eu comprei e agora o do Carroll, que é maravilhoso e me fez compreender ainda mais o método.

Mas vamos ao método então…

O SISTEMA

O BuJo é a intercessão de todos esses processos, pois sua estrutura em módulos proporciona a flexibilidade que permite que o método permaneça relevante em cada momento da vida. Assim, para aproveitar o método ao máximo é necessário entender como as partes interagem e se influenciam.

Carroll sugere que consideremos cada parte do método individualmente e submeta-os a nossa apreciação e análise, sempre perguntando como ele poderia nos ajudar. O próprio autor/criador do método sugere que apenas as partes que façam sentido sejam usadas para que não causem sobrecarga e gere ansiedade, pois os componentes do método são, muitos deles, intencionalmente independentes. Então se não tem valor e utilidade para você basta não usar.

Os conceitos-chave do método são:

  1. Índice: serve para localizar o conteúdo do BuJo. Carroll diz que é muito importante, eu faco e uso esporadicamente, mas me facilita quando quero localizar uma coleção que não preciso usar com tanta frequência, mas conheço várias pessoas que não usam e que não sentem falta. O que eu recomendo? Comece usando e quando for migrar para um novo caderno avalie se foi importante ou se é dispensável. Mas lembre-se: seus cadernos ficarão guardadas e quando você precisar consultá-lo deve ser capaz de recuperar a informação desejada.
  2. Registro Futuro: local onde você guarda as tarefas e eventos fora do mês corrente, deve ser consultado cada vez que um novo mês será planejado.
  3. Registro Mensal: é a visão geral das datas e tarefas do mês atual. Faz-se um inventário mental com aquilo a que estamos nos dedicando, a que deveríamos nos dedicar e a que gostaríamos de nos dedicar. Assim traçamos nossas metas e podemos dedicar esforços ao que é importante realmente.
  4. Registro diário: usado para registrar rapidamente tarefas e pensamentos ao longo do dia. Muitas pessoas utilizam o registro semanal como opção ao diário, eu sou uma dessas pessoas, mas usei o diário por muito tempo e percebi que sempre era necessário um mesmo espaço, mas no próximo mês (maio) retorno ao diário, pois farei novas atividades e acredito que precisarei de mais espaço para registra-las.
  5. Registro rápido: são anotações suscintas associadas a símbolos e categorizadas como notas, eventos, tarefas. Eu ainda utilizo um símbolo para ideias que me ajuda a localizar mais facilmente só olhando para a página e assim recupero mais rápido o que preciso.
  6. Coleções: são os módulos usados para guardar conteúdos relacionados e que voc~e deseja monitorar. Atualmente eu utilizo as seguintes coleções: Memórias, gratidão, rastreamento de hábitos, monitoramento do sono, controle financeiro, entre outros, que irei apresentar aqui no decorrer da série.
  7. Migração: é o processo mensal de filtrar o conteúdo insignificante do caderno. Tudo aquilo que temos demandado energia e que não precisamos mais nos preocupar ou podemos deixar para outro momento.

A partir de agora cada um desses tópicos será abordado periodicamente aqui com o intuito de ajudar você a usufruir da melhor maneira possível do método e torná-lo proveitoso e prazeroso. Se quiser fique a vontade para deixar suas dúvidas e sugestões aqui nos comentários, ou envie e-mail se preferir.

Ah! E se não quiser perder nenhum assunto aqui do blog cadastre seu e-mail e você receberá um aviso sempre que um novo post for publicado. Prometo que não vou encher sua caixa de entrada com mensagens vazias e propagandas. Também pode seguir minha conta no instagram (@colorindoideiasbr), sempre tem fotos do meu BuJo e de lettering e desenhos.

Hoje era isso que eu tinha para falar. Um beijinho e até breve! 🙂

Anúncios

Bullet Journal 2019 – Fevereiro

Esse ano vou mostrar para você o passo a passo da elaboração do meu bujo a cada mês: como fiz os desenhos, materiais que eu usei e ideias diferentes que podemos usar para tentar torná-lo mais do jeito que a gente precisa. Os materiais vão variar ao longo do ano para mostrar como ele pode ser versátil usando diversos acessórios que temos em casa e que não precisam ser caros, necessariamente.

Nesse mês de fevereiro eu fiz algumas alterações no layout da primeira semana, não sei se vou manter assim as próximas semanas, mas não vai ter aquele spread semanal formatado, resolvi que vou fazer o  registro diário.
O por quê dessa decisão? Comprei o livro O método Bullet Journal, Ryder Carroll, ed. Fontanar, 326 páginas e vou tentar me manter o mais próxima possível do método original e assim poder utilizá-lo da melhor forma para mim. Mas… vou testar aos poucos esse mês, então comecei com os registros diários mesmo.

Então vamos lá… Esse mês o tema escolhido foi galáxia e toda a decoração do caderno vai ser com base nesse tema, a cor escolhida foi rosa e usei a cor 723 (pink) da Tombow para ser a de destaque. Não fiz a minha página de inspiração esse mês, porque pretendo colocar o quadro no meu escritório em breve. Se eu sentir muita falta dessa página ela volta mês que vem.

Para o registro mensal eu mantive o calendário que venho usando há quase um ano e tem funcionado bem, mas reduzi o tamanho um pouco para ter mais espaço para o quadro de metas, ideias e eventos. Gostei bem do resultado…

Mantive minha página de memórias e a de gratidão, também com layout bem simples, usei alguns adesivos para compor e fiz uns desenhos bem simples. Achei que a página ficou mais bonitinha com esses desenhos, mas vamos ver se vai ser funcional também. Fiz várias fotos mostrando porque eu realmente gostei.

Finalmente chegamos ao daily log, e aqui você vai perceber que mudei muito o layout e fazer colagem, para isso imprimi algumas imagens de galáxia do Pinterest, mas para essa semana usei só umas faixas de uma das imagens, se quiser ver a imagem original clica aqui ou segue meu perfil colorindoideias que sempre coloco novidades lá.

Como não vou colocar as datas predefinidas lá usei um recurso que já vi, mas como não quis cortar a folha do meu caderno usei uma das folhas destacáveis do final do caderno e cortei, usei fita dupla face para colar e fiz uma washitape para fazer o acabamento. Nessa meia página vou colocar minhas tarefas, o acompanhamento das minhas mídias sociais e o habit tracker. Meu sleep log vou fazer separado, mas ainda não defini o layout, então depois de pronto vou colocar lá no meu instagram.

Materiais usados:

  • Caneta dual brush Tombow nas cores 723 (pink), 761 (carnation), 800 (baby pink), 062 (pale yellow), 243 (mint), 620 (lilac), 451 (sky blue)
  • Adesivos transparentes de uma cartela que comprei na @dessamore
  • Adesivo rosa de uma cartela que ganhei
  • Caneta unipin fine line 0.5
  • washitape salmão 5mm
  • Fita adesiva dupla face
  • Cola em bastão.
  • Bem… esse foi meu mês de fevereiro, usei materiais diversos dessa vez e tentei ser mais criativa… E o seu, como ficou? conta aqui nos comentários! ☺️ Abraços e até a próxima.

    Aprendendo fotografia #5 – iluminação

    Como falei aqui anteriormente fotografia significa escrever com luz, então não é possível fazer uma fotografia sem iluminação e por isso a iluminação é um assunto de extrema importância e pode nos ajudar a criar diversos efeitos. Portanto, quanto mais observarmos a iluminação disponível no momento de fazer uma fotografia, percebemos a qualidade, direção e intensidade da iluminação, mais bonita ficará a nossa fotografia.

    Vou falar um pouquinho sobre os tipos de luz, suas características e os efeitos que elas podem trazer para a fotografia. Em cada fotografia que eu colocar aqui tem uma legenda para que você seja direcionado a imagem no google.

    Luz Difusa – se caracteriza por uma iluminação mais suave, uniforme e sombras mais suaves, é necessário um instrumento que faça esse luz dispersar suavizando-a. Em ar livre pode ser uma nuvem cobrindo o sol, em estúdio são usados objetos como tecido ou mesmo acrílico jateado para fazer esse efeito e como a luz não chega diretamente ao objeto principal cria uma imagem com menos sombras.

    A Luz Direta deixa a imagem com sombras mais duras, contraste mais acentuado que se caracteriza por sombras e cores fortes. 

    Contra Luz é quando nosso ponto principal de iluminação está atrás do objeto fotografado e de frente para a câmera. Podemos usar esse tipo de iluminação para fazer uma luz de contorno, assim teremos uma luz suave na frente do assunto e uma luz de contorno em volta do assunto. Eu simplesmente adoro esse tipo de luz para fotografar.

    Essas fotos aí embaixo são minhas, foram tiradas no celular mesmo.

    E deixo também algumas fotografias com diferentes tipos de iluminação para você treinar o olho e também começar a perceber qual melhor te agrada. Eu gosto de fotografia de natureza e de explorar a contra luz, me conta o que você prefere.

    Ah, o próximo assunto sobre fotografia é sobre tipos de fotografia e vou deixar aqui alguns programas que eu uso para edição, mas sobre esse assunto eu não vou falar, apenas trarei os programas e se são gratuitos ou pagos, pois não tenho conhecimento para falar sobre eles.

    Por hoje é só, espero você aqui de novo. Abraços!!! 🙂

    Aprendendo fotografia #4: Composição

    Mais um post falando sobre o que aprendi no curso de fotografia, já falei sobre tipos de câmeras, tipos de lentes e sobre fotometragem, dessa vez vou falar um pouquinho sobre composição que é a parte artística da fotografia, é onde colocamos o nosso jeito e nosso olhar. É através da composição que a cada fotógrafo se torna único, pois nenhum outro fará a mesma composição de uma fotografia.

    Focalização

    A focalização deve ser feita no assunto principal da sua fotografia, pois este é o ponto principal de sua fotografia. É aquilo para o que você quer chamar mais atenção e destacar.

    Profundidade de Campo

    A profundidade de campo é o range de distância em que você terá o foco na sua fotografia. A medida que eu aumento a abertura do diafragma entra mais luz na imagem e eu tenho pouca profundidade de campo, isso com que a área em foco na minha imagem seja menor.

    Assim, quando o diafragma está mais fechado, entrando menos luz na imagem e isso faz com que a área em foco da minha imagem seja maior.

    Regra dos Terços

    O objeto não precisa estar centralizado, pois dessa maneira torna a fotografia mais interessante. Para isso usa-se a regra dos terços, que é como se fosse um jogo da velha, os pontos de interseção é onde deve estar concentrado o maior número de informações.

    Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia

    Usa-se a  imagem acima para arrumar a composição da fotografia, usamos o padrão 2/3 de céu e 1/3 de terra ou vice-versa, também devemos usar essa imagem para manter o horizonte alinhado, a linha do horizonte deve ficar reta.

    Algumas câmeras possuem a opção de manter essa imagem na hora de fotografar, mesmo câmeras de celular.

    Linhas

    As linhas na sua fotografia podem estar escritas na imagem, isto é representadas por um corrimão ou meio-fio, ou podem ser linhas imaginárias, que parecem conectar dois objetos, ou um olhar.

    As linhas enriquecem muito a fotografia, pois fará com que o olhar do expectador caminhe na fotografia e encontre o significado da mensagem que o artista quis transmitir.

    Texturas 

    As texturas são usadas para para deixar a fotografia mais interessante. Para isso devemos explorar repetições, padrões e cores.

    Fundo

    Devemos ter cuidado com o fundo da sua fotografia que deve ser mais neutro.

    Caso queira optar por usar mais informações no fundo lembre de utilizar elementos que sejam interessantes para o contexto da imagem.

    Menos é Mais

    Essa regra vale para tudo na vida não é mesmo, então porque não na fotografia?

    Simplifique! Não coloque muitas informações na mesma fotografia. Fotografias cheias de informações se tornam cansativas, assim menos informações farão aquilo que é mais importante se destaque e a torne mais interessante

    Abaixo selecionei algumas imagens para exemplificar o que foi falado, olhe cada uma delas e pense em tudo que você leu, tente identificar cada regra.

    No próximo post vou falar sobre iluminação, te espero aqui. Abraços e até la!

    Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia
    clique aqui para ver a imagem original
    imagem disponível em clique aqui
    Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia
    para ver a imagem original clique aqui
    Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia
    imagem original aqui
    Imagem relacionada
    clique aqui para imagem original

    Aprendendo fotografia #3: Fotometragem

    Fotometragem significa medir a luz, assim como fotografia é escrever com a luz, desta forma, para que haja uma fotografia de qualidade e que eu consiga extrair uma boa imagem é necessário saber usar adequadamente a iluminação, assim será possível extrair aquilo que quero da imagem.

    Posso, por exemplo, usar menos luz e ter uma imagem com efeito gótico ou aumentar muito a iluminação e ter uma foto mais estourada, tudo depende daquilo que eu pretendo atingir com a imagem.

    Para isso é necessário combinar a abertura do Diafragma com a Velocidade do obturador.

    Diafragma

    É o diâmetro de abertura da lente e é representado pela letra F e por um número. Quanto menor o número do diafragma mais aberto ele estará e mais luz entrará na imagem, sendo maior o desfoque do fundo. Quanto maior o número do diafragma mais fechado ele estará e menos luz entrará na imagem com mais áreas em foco.

    Abaixo o esquema que representa a abertura do diafragma, essa abertura pode ser controlada pelo indicador de abertura do diafragma nas configurações da câmera.

    Velocidade do Obturador

    Essa é mais uma forma de configurar a entrada de luz em nossa imagem, é como se fosse  uma cortina que protege a câmera da luz e posso definir a velocidade que essa cortina ficará aberta. Quando a cortina está aberta a luz entra e registra a imagem no sensor.

    Essa velocidade é medida em segundos ou em frações de segundos e quanto maior a fração de segundos, mais rápido a cortina do obturador vai abrir e fechar e com isso vai entrar menos luz no sensor.

    Atenção: Quanto mais tempo o obturador ficar aberto mais a imagem vai borrar.

    Veja a imagem abaixo para ver a representação gráfica da velocidade do obturador, observe a representação da luz na área branca.

    Exposição

    A exposição mostra se a definição da medição da luz foi correta, é a combinação da abertura do diafragma e da velocidade. 

    Na câmera há o fotômetro que mostra se a nossa exposição está ideal, subexposta ou superexposta. A fotografia subexposta é uma imagem escura, e o fotômetro estará mais a esquerda, já a fotografia superexposta é uma fotografia muito clara, onde entrou muita luz, o fotômetro estará mais para a direita.

    Mais uma vez é bom lembrar que o fotógrafo tem liberdade de escolher fazer uma foto mais escura ou mais clara propositalmente, depende daquilo que quero representar ou mesmo do gosto pessoal.

    ISO

    É mais uma opção que temos para aumentar a iluminação da foto e quando já fizemos todas as configurações de diafragma x velocidade e ainda sim temos dificuldade na iluminação, nesse caso aumentar o ISO nos ajudará a ter mais claridade na imagem. Quanto mais aumentarmos o número do ISO mais iluminação, no entanto,  nossa fotografia pode ficar com mais ruído, vão aparecer uns pontinhos na imagem.

    Histograma

    O histograma é um gráfico que avalia como foi feita a exposição da fotografia. O ideal é que seja uma gráfico mais para o cinza, mais centralizado. Do lado esquerdo a quantidade de pontos totalmente escuros (preto) e do lado extremo direito encontramos a quantidade de pontos totalmente claros (branco).

    Hoje era isso que eu tinha para mostrar, espero que você tenha gostado. Treine bastante aí que eu sigo treinando aqui e no próximo mês eu vou falar sobre composição da fotografia. se ficou alguma dúvida deixe nos comentários aqui em baixo. Um abraço!

    Aprendendo fotografia #2: lentes/objetivas

    Hoje vou continuar falando sobre o que tenho aprendido em fotografia. Continuo minha caminhada de compreender mais meu instrumento de aprendizado, na verdade a vontade é já sair dando cliques e tendo fotos lindas e sem desvios, mas para saber aproveitar ao máximo todo o potencial da minha câmera preciso compreender seus mecanismos.

    Por isso hoje vou focar na objetiva (mais conhecida como lente) que é uma das partes mais importantes da câmera fotográfica, pois é ela a responsável por: enquadramento, angulação, alcance e qualidade ótica da imagem. As objetivas também são conhecidas pela sigla DSRL (Digital Single Lens Reflex) e se refere a um conjunto de elementos organizados em grupo responsável por focalizar a imagem e alterar a distância focal.

    dicas_tiposdeobjetivas
    Não é um sonho todas essas objetivas… 🙂

    Mas o que é distância focal?

    É uma medida em milímetros que identifica o alcance da objetiva, que nada mais é que a distância entre o ponto de convergência da luz até o ponto do sensor da câmera e é ela que vai determinar qual o tipo da objetiva.

    DistanciaFocal4
    https://blog.emania.com.br/as-lentes-e-suas-caracteristicas-a-distancia-focal/

     

    Então vamos conhecer cada tipo de objetiva e assim conseguir usar da melhor forma possível cada uma delas.

    Objetiva Padrão (50mm):

    Elas imitam nossa visão e a imagem captada é bem próxima daquela que estamos vendo, é a imagem capturada pelo olho humano, mas sem a visão periférica. Elas não ampliam, não diminuem e nem distorcem a imagem. esse tipo de objetiva é bem versátil e a imagem gerada por ela é de boa qualidade.

    Grande Angular (menor que 50mm)

    Tem como objetivo fazer uma imagem com ângulo mais aberto, a imagem fica ampliada, são exemplos as 12mm, 16mm, 35mm. Elas tendem a distorcer as bordas da imagem, por isso deve-se procurar um ângulo que melhore a distorção ou incorporar essa distorção a arte.

     

    Lente Grande angular Olho de Peixe (Fish Eye)

    São lentes que possuem uma maior abrangência da imagem, podendo essas chegar a uma angulação de 180º, por isso distorcem muito a imagem e podem ser excelentes para produções artísticas.

     

    Teleobjetivas

    A distância focal é maior e aproximam o objeto, são ideais para fazer retratos, quanto mais aumenta a distância menos ela desfoca. Segundo Fernando Rozzo, do blog eMania, a característica mais marcante no uso destas objetivas é a produção de imagens ampliadas e um aparente “achatamento” nos planos da imagem. Isto porque elas são produzidas para observar ou fotografar objetos numa distância mais elevada, e assim as distâncias relativas entre os objetos se tornam menores.

    Objetivas Macro

    Permitem aproximam bem o objeto e extrair detalhes, excelente para fotografar insetos, objetos pequenos ou destacar detalhes.

    As objetivas também podem ser classificadas em fixas ou com zoom. As objetivas fixas são mais limpas e tem melhor qualidade de imagem, além de nos obrigar a sair da zona de conforto, ter mais agilidade e assim permitir descobrir novos ângulos. As objetivas com zoom são ideais para situações em que não tenho controle da cena e que é preciso aproximação com agilidade, como por exemplo fotografar um jogo ou a natureza, tanto animais como fenômenos naturais.

    No meu caso eu tenho uma objetiva com zoom, afinal de contas elas são carinhas e comprar uma de cada fica bem complicado, ainda mais quando não somos fotógrafos profissionais.

    Bem, era isso que eu queria compartilhar hoje, no primeiro post falei sobre os tipos de câmeras disponíveis, espero que tenha ajudado você a decidir qual sua melhor opção. No próximo vou falar sobre Fotometragem, que é como colocar qualidade na iluminação para extrair o melhor da imagem e o conceito a que você quer chegar. Espero você!

    Ah! Para ver as fontes de onde cada fotografia foi retirada basta passar o mouse nelas.

     

     

    Aprendendo fotografia #1: tipos de câmeras.

    Olá! Recentemente comecei um curso de fotografia para poder melhorar as fotos aqui do blog e lá do instagram e resolvi trazer um pouquinho do que estou aprendendo aqui… não tenho a intenção de que seja um curso, mas quero sim compartilhar algumas dicas para que possamos encher nossos feeds com belas fotos, pois a fotografia é uma das maneiras de colorir o mundo… Então vamos lá!

    Nesse primeiro tópico vou falar sobre os tipos de câmeras disponíveis, hoje em dia há uma infinidade de opções, também com vários preços, então é sempre bom conhecer os vários modelos para poder escolher a melhor opção e assim evitar gastar mais e acabar se decepcionando.

    Não vou falar sobre todos os tipos de câmeras que existem, até porque não conheço todos eles, então trouxe aqui os mais comuns e que também já tive contato.

    1- Compactas:

    Possuem tamanho reduzido e são bem fáceis de operar, pois contam com os modos de ajustes automáticos, que ajustam a configuração da câmera. Existem também as câmeras chamadas supercompactas, possuem dimensões ainda mais reduzidas, e permitem que você leve sua câmera para todo lugar discretamente. Alguns modelos compactos oferecem alta resolução e recursos extras  e são uma boa opção para ter sempre por perto.

    2- SuperZoom:

    São aquelas câmeras um pouco maiores que não trocam lentes e tem cara de câmera profissional, oferecem opção de zoom poderoso e a possibilidade de ajustes manuais de velocidade, sensibilidade (ISO) e abertura, mas seus sensores são pequenos e como suas lentes são fixas, é preciso utilizar adaptadores para obter fotografias diferenciadas.

    Usei uma Nikon Coolpix P500 por muito tempo e gostava muito dela, conseguia ótimos cliques, só troquei quando me inscrevi em um curso de fotografia e lá exigia uso de uma DSLR. Ela realmente tem algumas limitações e sua portabilidade não é das melhores. Mesmo sendo menores que as DSLR, ainda assim chamam a atenção. Sempre levava a minha em um case próprio, mas nem se compara a mochila que tem que ter para levar uma DLSR. Outra coisa importante de falar é que algumas superzoom são muito mais caras que uma DSLR, então pesquise bem antes de comprar a sua.

    nikon-coolpix-p500_4
    Nikon Coolpix P500 – foto do site http://www.cameraversuscamera.com.br

    3- DSLR:

    A sigla DSLR significa Digital Single Lens Reflex e esse tipo de câmera geralmente possui sistemas de lentes intercambiáveis, então são conhecidas por câmeras que você pode trocar as lentes. Além disso ela possui todos recursos manuais, mas também possui modo automático (mas resista a ele e não use) e seus sensores são um pouco maiores que as do modelo anterior.

    Existem alguns modelos de entrada bem em conta, então vale a pena investir em uma para você, poi uma dica muito legal que li num site, não me lembro mais qual, foi para avaliar bem os preços das câmeras e dos modelos, comparar os recursos com sua realidade.

    Então quando fui comprar a minha optei pelo modelo que tinha uma boa configuração e o melhor preço (avaliei o custo x benefício) e resisti a algumas coisas que encareciam mais e que não eram essenciais para mim agora. Existem câmeras melhores que a minha, mas não sou profissional e, afinal de contas, ainda estou aprendendo. Estou amando a experiência das fotos com ela e a oportunidade de adquirir mais lentes e conseguir explorar mais opções de imagem.

    42003682_2360230034204528_6816402059856707584_n
    Essa é a minha câmera – Canon EOS Rebel T6.

    4- Instantânea:

    Esses modelos foram muito famosos anos atrás e agora voltaram com força total, são aquelas câmeras que as fotos saem na hora já “impressas” então você pode ver como ficou a foto e compartilhar momentos. Tem os modelos mais baratos e mais caros e cheios de recursos. Falei da minha nesse post se quiser lembrar ou ler.

    img_5445.jpg
    Meu xodó, amo as fotos dela e ainda dá para fazer selfie – Instax Mini 9.

    5- Smartphone:

    Os smartphones atualmente possuem câmeras de alta resolução e são uma excelente opção para fotografias casuais. Câmeras com 12 mega pixels ou mais são super comuns hoje em dia e captam imagens de qualidade excelente para visualização em tela e impressão, além de registrarem vídeos FullHD. Também existem modelos que possibilitam a configuração de iluminação da imagem e exposição, estão cada dia mais desenvolvendo boas câmeras para smartphones.

    Alguns smartphones tem também opções de adaptação de lentes mais poderosas para registro de imagens ainda melhores, um dos modelos da Motorola, a linha Z play tem como recurso usar os Moto Snaps e tem duas opções para fotografia: Snap Câmera Polaroid e Snap Câmera Hasselblad.

    Outros tipos de câmeras: mirrorless, câmeras de ação, 3D, a prova d’água e multifoco.

    Era isso que eu tinha para falar hoje, espero que tenha gostado e que te ajude a conhecer um pouco mais das opções disponíveis. Mas a ideia é sair por aí clicando e registrando momentos incríveis. O próximo post dessa série será sobre as objetivas (mais conhecidas como lentes) espero você.