Caligrafia para relaxar #2

Olá! como eu prometi, no post anterior, vou mostrar aqui a minha evolução durante as atividades do livro Caligrafia para relaxar, no post anterior eu falei um pouquinho do livro e da primeira lição e mostrei a minha frase final. Se você não leu pode conferir aqui

Hoje vou mostrar para você o que aprendi nas lições 2, 3 e 4. Minha intenção era falar sobre mais lições hoje, mas sabe uma pessoa que quer fazer mil coisas ao mesmo tempo, aí não deu tempo de estudar mais duas lições, mas também não adianta fazer tudo correndo e não ficar com boa qualidade, até porque o legal é você ir tentando colocar em prática em outras frases aquilo que aprendeu nas lições.

Mas vamos lá… no segundo capítulo do livro a autora nos propõe usar coroas e guirlandas e incorporar ao lettering para compor a arte, confesso que gostei bastante, pois sempre tive medo de brincar mais e geralmente eu fazia as letras e só, ficava intimidada em tentar colocar alguma desenho e acabar estragando a composição no final. Afinal de contas dá uma trabalheira enorme tentar fazer uma letra bonita e acabar estragando tudo no finalzinho ia ser uma tristeza. Eu amei a frase que ela propôs – A prática leva a evolução. Não é tranquilizante não precisar buscar uma perfeição? Nos liberta da nossa fixação em busca dessa perfeição em tudo e buscamos a evolução, o crescimento, isso é um ganho.

Daí que essa lição me deu coragem para fazer essas brincadeiras e tornar o lettering o início de uma arte, pois só assim eu cumpriria a atividade proposta, não é mesmo? Então para mim esse é um ponto a mais para o livro, que acaba me forçando a sair da minha zona de conforto.

E que surpresa boa quando vi que na terceira lição a frase proposta era justamente a vida começa onde termina sua zona de conforto! Nessa lição a autora nos mostra como faixas básicas podem dar mais graça e leveza ao desenho, destacando aquilo que queremos enfatizar.

A lição 5 traz o E comercial e a frase sonhe e realize! Aqui a gente pode tentar também introduzir os outros elementos propostos e ir tornando as frases mais completas e cheias de vida. Tenho gostado muito da experiência de acompanhar as lições, a técnica de lettering e o uso do bullet journal para mim são importantes para combater minha ansiedade e ajudar a liberar o estresse.

Abaixo coloco algumas fotos para você conferir minha evolução… espero que tenha gostado e se anime a tentar coisas novas também. Se quiser deixe sua opinião aqui nos comentários será muito bom. Um abraço e até o próximo post. 🙂

 

Quais as cores da vida?

Olá! Quanto tempo não é mesmo?

Estava tão pra baixo que não conseguia pensar em escrever nada por aqui, mas depois de refletir um pouquinho sobre tudo que aconteceu recentemente conclui que escrever ajuda no processo de cura e que tudo na vida faz parte de um processo de amadurecimento.

Quando pensei no blog queria escrever sobre tudo aquilo que faz a vida colorida e bela e quando pensava nas cores com que queria colorir minhas ideias todas eram alegres – azul, rosa, amarelo, vermelho, branco… não imaginava a cor do luto, uma cor que remeteria a tristeza.

Mas a vida nos traz surpresas e nos faz passar por sentimentos que não gostaríamos de pensar, de sentir, de viver… e foi isso que aconteceu, de repente somos surpreendidos por uma perda que chegou de forma tão repentina, sem nexo, sem explicação, não dava para acreditar, o luto não fazia parte de meus planos no mundo das ideias e nem no meu mundo real.

Então depois de meditar um pouco e de rever cada acontecimento recente conclui que a vida é como uma tela em branco, vamos colocando nela as cores que gostamos e de vez em quando uma cor que parece destoar e destruir nossa arte, que sequer nos pertence, aparece no meio da composição, então ficamos olhando a tela e tentando entender o porque daquela cor que destoa tanto está ali.

Não temos como compreender… então um dia desses estava olhando alguns vídeos no instagram e vi um rapaz pintando essa tela, ela era grande e ele colocou a cor azul, com vários tons, depois colocou outra cor (não me lembro qual) e de repente colocou a cor preta, em muita quantidade. fiquei pensando o porque daquela cor que iria “estragar” a arte, mas ele continuou usando as tintas de forma coesa. No final do vídeo a arte ficou linda, o preto se encaixou na obra sem destoar mais.

Acredito que a vida também é assim, não compreendemos o por quê de alguma coisa no momento e talvez jamais venhamos a compreender, mas no final são esses acontecimentos que vão moldar quem somos e que vão nos transformar em pessoas mais fortes e melhores.

“Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu:
tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou, tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir,
tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar” Eclesiastes 3:1-4

A imagem acima é do site pexels e do artista L∅nfeldt, veja aqui.

Bem… era isso que eu tinha para expressar hoje e espero que em breve minhas ideias fiquem coloridas com cores mais alegres novamente.

Planejando o mês de maio

Mais um mês chegando ao fim e mais um mês para planejar, maio chegou muito rápido, mas nada melhor do que planejar tudo. amo esse mês, pois o clima geralmente é ameno, os dias são claros e com poucas chuvas, além disso é o mês das mães.

Para esse mês eu escolhi as cores em tons mais neutros, esse tom warm grey da Tombow é lindo e fica mais clean, assim dá para abusar das cores mais alegres dos adesivos e washi tapes, as minhas nesse mês tem glitter e tudo.

Nesse mês eu mantive o log mensal em estilo de calendário usando duas páginas do notebook, ficou bom assim e eu consigo visualizar melhor as atividades, mas diferente dos últimos meses não coloquei o habit tracker nessa página, optei voltar a fazê-lo semanal, como fazia até novembro do ano passado.

Confesso que muitas vezes esquecia de marcá-lo diariamente quando era mensal, mas ainda acho que ele fica mais bonito na composição, principalmente como eu fiz em janeiro, com cada linha marcada em uma cor diferente e com vários traços fininhos.

Para o log semanal fiz um layout bem levinho, coloquei um adesivo em cada página para dar uma cor mais alegre, nessas páginas coloco minhas tarefas da semana, minhas metas para o blog e meu tracker, tenha tentado fazer minha letra mais redondinha e desenhada.

Também não podia faltar meu diário da gratidão e minhas memórias, que são bem simples, mas fazem parte do meu mês sempre, a única diferença esse mês é que ficaram numa página unica, pois percebi que se complementam um pouco.

Ah! Esqueci de colocar a página de metas e notas do mês, então inclui na semana também, caso fique pouco espaço vou colocar em uma página seguinte. Essa é a vantagem do método.

Esse mês Nina Maria resolveu me ajudar a montar o layout, por isso ela saiu em algumas fotos. Bom, era isso que eu tinha para mostrar esse mês, foi assim que planejei, o que você achou? Como você planejou o seu? Me conta aqui.

Contando sobre leituras – Tartarugas até lá embaixo.

Nunca havia lido um livro do John Green, então resolvi ler esse livro quando vi vários comentários sobre a abordagem diferenciada que ele fazia sobre TOC (transtorno Obsessivo Compulsivo), achei o tema interessante.

Quando comecei a leitura achei que seria um livro meio adolescente, pois apresenta a história de Aza Holmes, uma adolescente de 16 anos e sua amiga de escola Dayse, escritora de fanfic de Star Wars, as duas tentam receber uma recompensa através de informações sobre um milionário.

Mas então, a partir dessa trama, o autor tece uma teia de acontecimentos que vão crescendo e tornando-se maiores, Aza vive em um espiral, como ela mesma define, de pensamentos que a dominam, vive presa por um medo de se infectar, abre constantemente  uma ferida para tentar sentir-se no controle, tem resistência em usar as medicações prescritas pela psiquiatra, pois não se conforma em ter que se medicar para ser normal. O livro te prende nessa espiral de pensamentos.

O drama da adolescência é somado ao drama do transtorno que a acompanha e um simples beijo a faz surtar em relação a contaminação, Aza tenta lutar contra os pensamentos, mas não consegue. o livro conta também com diversas citações, que complementam o pensamento do autor e enriquecem a leitura.

No final não há uma felizes para sempre, um final feliz como vemos em alguns romances, mas é um desfecho mais real de uma história, dentro de outros desfechos, achei essa resolução muito boa, foge do tradicional.

Essa visão do autor quanto ao TOC foi enriquecida por sua experiência pessoal e os medos que o acompanham. Em alguns momentos da leitura tentava pensar onde o título se encaixava na história e finalmente ele foi explicado.

Recomendo a leitura do livro e quero conhecer outros títulos do autor. E você, já leu algum livro do John Green? Conta aqui o que achou. 😊

Minhas leituras em abril

Quem me acompanha a um tempinho sabe que amo livros e planejamento, então hoje trouxe para vocês os livros que eu separei para ler esse mês, lembrando que minha meta é ler quatro livros por mês.

Também tenho tentado ler livros que eu não costumava ler e confesso que tenho gostado muito e me surpreendido com alguns títulos e autores, é sempre bom expandir suas opções e aprender um pouquinho com cada percepção e visão de mundo, um livro é capaz de nos fazer conhecer novos lugares (através do imaginário) e culturas.

Bem, mas vamos lá… vou apresentar cada um deles  e quem sabe você se anima a ler algum comigo.

1- Em algum lugar nas estrelas, Clare Vanderpool, editora Darkside, 276 páginas.

“A grande ursa negra, impressionante como a Ursa Maior, balançou a cabeça de um lado para o outro, e seu rugido fez tremer a passagem próxima da Trilha Apalache. Eu digo que é ela, mas a verdade é que não dava para ter certeza. Não havia marcas que indicavam que era fêmea. Não havia filhotes à vista. Mas eu sabia. Eu a conhecia como conhecia minha própria mãe. Era sua postura – a autoridade absoluta sobre nós, dois garotos presos por seu olhar. E era sua vontade inabalável de nos manter vivos.”

É dessa forma que a autora inicia o livro, que traz uma personagem com TEA (transtorno do espectro autista) e dia 02 de abril é o Dia Mundial da Conscientização do Autismo e existem vários níveis diferentes de autismo.

O livro é muito fofo, em sua estética, tem capa dura, estou gostando muito da leitura até o momento, depois vou escrever uma resenha, esse foi o livro escolhido pelo Clube do livro Infinistante, criado pela Maki, Mel e Loma, quem quiser se inscrever no clube é só clicar aqui.

2- O diário de Anne Frank, Tradução de Alves Calado, 49ª edição, editora BestBolso, 373 páginas.

Trata-se do relato de uma menina judia que ficou escondida anos em um sótão em uma casa se escondendo dos nazistas, junto com sua família, para tentar em vão sobreviver. Como gosto de usar diário em tópicos, esse texto em forma de diário e relatos curtos é de grande interesse para mim. Saber extrair apenas aquilo que é importante relatar no nosso dia a dia é um grande exercício.

3- O pequeno príncipe, Antoine de Saint-Exupéry, editora agir, 95 páginas.

Na contracapa do livro está escrito “Livro de criança? Com certeza. Livro de adulto também, pois todo homem traz dentro de si o menino que foi. Como explicar a adoção deste livro por povos tão variados, em tantos países de todos os continentes? Como explicar que ele seja lido sempre por tantos milhões e milhões de pessoas? Como explicar a atualidade deste livro traduzido em oitenta linguas diferentes? Como compreender que uma história aparentemente tão ingênua seja comovente para tantas pessoas? O Pequeno Príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia a dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino.” – Amélia Lacombe

Li esse livro quando era criança, ganhei de minha madrinha e estou ansiosa para ler novamente, espero conseguir fazer uma resenha sobre ele.

4- Amor e gelato, Jenna Evans Welch, editora Intrínseca, 319 páginas.

Trata-se de um romance que tem como plano de fundo a linda cidade de Florença, então estou muito empolgada para conhecer os lugares e a cultura, a autora viveu em ali parte de sua adolescência.

Texto da contracapa: “Florença é o lugar perfeito para se apaixonar e o pior lugar para ficar de coração partido”.

5- A travessia, William P. Young, Editora Arqueiro, 197 páginas.

Contracapa: “Jesus pegou a mão de Tony. – Na jornada que está prestes a começar, você poderá escolher curar fisicamente uma pessoa, mas só uma. Assim que escolhê-la, a sua jornada chegará ao fim. – Posso curar uma pessoa? Está me dizendo que sou capaz de curar quem eu quiser? – Na mesma hora, seus pensamentos se voltaram para o seu próprio corpo em um quarto de UTI. – Deixe-me ver se entendi. Posso curar qualquer pessoa que quiser? Jesus se inclinou na direção dele. – Na verdade, você não pode curar ninguém, não sozinho. Mas estarei do seu lado, e a pessoa por quem você decidir orar, eu a curarei através de você.”

“Um derrame cerebral deixa Anthony Spencer, um multimilionário egocêntrico, em coma. Quando “acorda”, ele se vê em um mundo surreal habitado por um estranho, que descobre ser Jesus, e por uma idosa que é o Espírito Santo. À sua frente se descortina uma paisagem que lhe revela toda a mágoa e a tristeza de sua vida terrena. Jamais poderia ter imaginado tamanho horror. Debatendo-se contra um sofrimento emocional insuportável, ele implora por uma segunda chance. Sua prece é ouvida e ele é enviado de volta à Terra, onde viverá uma experiência de profunda comunhão com uma série de pessoas e terá a oportunidade de reexaminar a própria vida. Nessa jornada, precisará “enxergar” através dos olhos dos outros e conhecer suas visões de mundo, suas esperanças, seus medos e seus desafios. Na busca por redenção, Tony deverá usar um poder que lhe foi concedido: o de curar uma pessoa. Será que ele terá coragem de fazer a escolha certa?”

6- Serafina e a capa preta, Robert Beatty, Editora Valentina, 240 páginas. Livro 1

Apresentação do livro: “Serafina nunca teve motivos para desobedecer ao seu pai e se aventurar além da Mansão Biltmore. Há espaço de sobra para ser explorado naquela casa imensa, embora ela precise tomar cuidado para jamais ser vista. Nenhum dos ricaços lá de cima sabe da existência de Serafina; ela e o pai, o responsável pela manutenção das máquinas, moram secretamente no porão desde que a garota se entende por gente. Mas quando as crianças da propriedade começam a desaparecer, somente Serafina sabe quem é o culpado: um homem aterrorizante, vestido com uma capa preta, que espreita pelos corredores de Biltmore à noite. Após ela própria ter conseguido – depois de uma incrível disputa de habilidades – escapar do vilão, Serafina arriscará tudo ao unir forças com Braeden Vanderbilt, o jovem sobrinho dos donos de Biltmore. Braeden e Serafina deverão descobrir a verdadeira identidade do Homem da Capa Preta antes que todas as crianças…
A busca de Serafina a levará ao interior da mesma floresta que tanto aprendeu a temer. Lá, descobrirá um esquecido legado de magia, que tem relação com a sua própria origem. Para salvar as crianças, Serafina deverá procurar as respostas que solucionarão o quebra-cabeça do seu passado.”

Descobri esse livro olhando na livraria e a contracapa me chamou atenção, depois conto o que achei.

Bem… são esses livros que pretendo ler esse mês. Espero que tenha gostado e que se anime a conhecer algum deles. 😊

O bullet journal pode ser terapêutico?

Então galerinha… quando comecei meu bujo a intenção foi me organizar e me animar a consultar uma agenda, mas com o passar do tempo observei algumas mudanças na minha saúde e no meu humor, fiquei mais calma, menos estressada, mais tranquila, mais serena e muito, muito mais consciente das coisas que preciso ainda melhorar.

Essas mudanças ficaram visíveis durante o tempo, mas aconteceram aos pouquinhos, não foi mágica… então fui pesquisar o porquê delas acontecerem e se realmente estavam relacionadas ao uso do método, resolvi trazer um pouquinho do que descobri para vocês. Quem sabe não se animam e aproveitam também esses benefícios.

São alguns dos fatores principais a organização, o auto-conhecimento e o lúdico. Hoje vou falar só um pouquinho de cada um, mas elaborar uma série com cada ponto a ser aprofundado.

A organização envolve todas as áreas da vida que você desejar colocar nos eixos, com o método você organiza tanto sua vida profissional, como pessoal, financeira, lazer, lista de desejos. Organizando sua vida em cada uma das áreas você consegue desfrutar de tranquilidade.

Além disso você consegue também conhecer seus hábitos e mudar aquilo que te incomoda, mas o segredo está justamente nessa palavrinha – conhecer. Quando conhecemos um problema, podemos identificar qual a causa e como trabalhar com ele, mas precisamos reconhece-lo.

Estabelecer metas e alcançá-las traz um bem-estar maravilhoso, uma sensação de conquista e vitória, que liberam os chamados hormônios da felicidade, são eles endorfina, oxitocina, dopamina e serotonina.

O lúdico sempre é valorizado na infância, mas já existem estudos que mostram os benefícios do lúdico na fase adulta e, pelo menos para mim, comprar acessórios de papelaria, montar meu mês, desenhar, fazer uma letra bonita, tudo isso, transforma uma atividade que seria monótona em lúdica e estimula nossa criatividade.

Não quer dizer que virei uma artista, nem que crio obras de arte, mas descobri talentos que nunca imaginei que teria, desenvolvi paciência para esperar os resultados, fico feliz com cada página que crio, sempre quero melhorar a próxima, mas desfruto da que já existe, essa foi uma vitória para mim.

Também não quer dizer que eu passo horas escrevendo e desenhando, geralmente reservo 15 minutos do meu tempo para atualizar minhas páginas, de manhã eu abro na página semanal e checo as tarefas e obrigações que eu tenho para o dia, a noite eu abro novamente e vejo as tarefas que já realizei e marco com o símbolo adequado e marco também meu habit tracker. Nos fins de semana gasto um tempinho a mais brincando com o design e o layout do meu carderno.

Bem… esse foi só o início, uma sementinha, para ver se vocês se animam a usar o método, mas vou escrever outros artigos mais explicadinhos sobre o tema, só preciso organizar as ideias e montar a estrutura direitinho. Podem me seguir para ficar sabendo de tudo que acontece aqui e também deixem comentários sobre o que gostariam de ler sobre o tema. 😉