Caligrafia para relaxar #2

Olá! como eu prometi, no post anterior, vou mostrar aqui a minha evolução durante as atividades do livro Caligrafia para relaxar, no post anterior eu falei um pouquinho do livro e da primeira lição e mostrei a minha frase final. Se você não leu pode conferir aqui

Hoje vou mostrar para você o que aprendi nas lições 2, 3 e 4. Minha intenção era falar sobre mais lições hoje, mas sabe uma pessoa que quer fazer mil coisas ao mesmo tempo, aí não deu tempo de estudar mais duas lições, mas também não adianta fazer tudo correndo e não ficar com boa qualidade, até porque o legal é você ir tentando colocar em prática em outras frases aquilo que aprendeu nas lições.

Mas vamos lá… no segundo capítulo do livro a autora nos propõe usar coroas e guirlandas e incorporar ao lettering para compor a arte, confesso que gostei bastante, pois sempre tive medo de brincar mais e geralmente eu fazia as letras e só, ficava intimidada em tentar colocar alguma desenho e acabar estragando a composição no final. Afinal de contas dá uma trabalheira enorme tentar fazer uma letra bonita e acabar estragando tudo no finalzinho ia ser uma tristeza. Eu amei a frase que ela propôs – A prática leva a evolução. Não é tranquilizante não precisar buscar uma perfeição? Nos liberta da nossa fixação em busca dessa perfeição em tudo e buscamos a evolução, o crescimento, isso é um ganho.

Daí que essa lição me deu coragem para fazer essas brincadeiras e tornar o lettering o início de uma arte, pois só assim eu cumpriria a atividade proposta, não é mesmo? Então para mim esse é um ponto a mais para o livro, que acaba me forçando a sair da minha zona de conforto.

E que surpresa boa quando vi que na terceira lição a frase proposta era justamente a vida começa onde termina sua zona de conforto! Nessa lição a autora nos mostra como faixas básicas podem dar mais graça e leveza ao desenho, destacando aquilo que queremos enfatizar.

A lição 5 traz o E comercial e a frase sonhe e realize! Aqui a gente pode tentar também introduzir os outros elementos propostos e ir tornando as frases mais completas e cheias de vida. Tenho gostado muito da experiência de acompanhar as lições, a técnica de lettering e o uso do bullet journal para mim são importantes para combater minha ansiedade e ajudar a liberar o estresse.

Abaixo coloco algumas fotos para você conferir minha evolução… espero que tenha gostado e se anime a tentar coisas novas também. Se quiser deixe sua opinião aqui nos comentários será muito bom. Um abraço e até o próximo post. 🙂

 

Anúncios

Mostre seu trabalho

Entrei para o Clube do Livro Infinistante, criado pela Marcela, Loma e Melinda, dos sites desancorando, sernaiotto e serendipity, e esse foi o livro escolhido para o mês de fevereiro: Kleon, Austin. Mostre seu trabalho! 10 maneiras criativas de compartilhar sua criatividade e ser descoberto. 1ª ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

O livro reúne uma série de ideias e conselhos sobre como fazer para seu trabalho ser notado de forma natural e pelas pessoas certas. É um livro fácil de ler e tem inúmeras  ilustrações que auxiliam na fixação do conteúdo de maneira divertida e lúdica, além de muitas citações de autores e artistas embasando o tema.

O livro foi dividido em onze capítulos e abaixo falo um pouquinho sobre cada um:

Uma nova maneira de operar: é uma pequena introdução a partir da qual todas as ideias do autor vão se conectando tornando a leitura fácil e agradável, este capítulo fala sobre autopromoção, não de forma forçada, mas natural, sendo bons naquilo que fazemos e permitindo que as pessoas vejam e se aproximem.

1- Você não tem que ser um gênio: O capítulo começa derrubando o falso mito do gênio solitário e a criatividade e traz o modelo do ecossistema de talentos.

img_5400

Essa é a ilustração do livro, amei esse exemplo, pois representa bem esse ecossistema onde temos várias influências no nosso processo criativo. Outro conceito é o conceito de amador, pois quando não é profissional e Expert em uma área não tem o que perder, então não tem medo de errar, tentar, divulgar os resultados. Também nos diz que temos que encontrar nossa voz e usá-la e da importância de compartilhar aquilo que sabemos.

2- Pense em processo, não produto: aqui o conselho é mostrar os bastidores e a ação daquilo que estamos produzindo, não apenas o produto pronto, usando para isso as mídias socais como maneira de conexão com o público. Documentar tudo que fazemos é uma ótima forma de compartilhar o processo.

3- Compartilhe um pouco todos os dias: devemos enviar um relatório diário do que estamos produzindo no momento como se fossem os extras de um filme ou show. Explica também o conceito de fluxo (feeds) e estoque (conteúdo produzido) e a importância da construção de seu próprio domínio, pois mídias sociais entram e saem de moda.

4- Abra seu gabinete de curiosidades: traz a ideia de que somos curadores do nosso trabalho e nos lembra de que nossas influências e inspirações é que dão pistas sobre quem somos e o que fazemos. Fala também da importância de dar créditos adequadamente e que colocar os links é ainda melhor, pois geralmente as pessoas não pesquisam pela indicação do autor e assim facilita o trabalho delas.

img_5402

Dá pra ver aqui na foto que fiz meu rascunho a mão, afinal sou apaixonada por cadernos e canetas. 🙂

5- Conte boas histórias: Lembra das aulas de produção textual? Então… aqui nesse capítulo é sobre esse tema: a importância de narrar adequadamente a obra e o processo, pois quanto mais explicado melhor para que o público entenda e se sinta conectado ao processo, para isso a narrativa deve ser organizada, robusta e lógica. Quando escrevemos precisamos ter em mente que deve haver o início, o desenvolvimento e a conclusão, não podemos esquecer a coerência e a coesão, lembrando que essa habilidade é desenvolvida quando lemos e estudando grandes histórias.

6- Ensine o que você sabe: O conselho aqui nesse capítulo é dividir nossos segredos comerciais, compartilhar aquilo que sabemos e informar às pessoas qual o resultado queremos alcançar. No momento em que aprendemos algo devemos ensinar, pois isso aumenta o valor do que fazemos.

img_5404.jpg

👆🏻 não parece um smile.

7- Não se torne um Spam humano: O tema aqui é a empatia e a reciprocidade, devemos ser gentis e cuidadosos com o próximo, ouvir as pessoas, aceitá-as, sermos como um fã, atenciosos e doando-nos. Não devemos nos preocupar com a quantidade de seguidores que temos, apenas nos concentrar em fazer bem feito e com perícia aquilo que nos propomos fazer.

img_5401

Ah! Traz também um conselho precioso: Fuja dos vampiros! E vampiros são todas as coisas que sugam nossas energias e não nos dão nada em troca, pode ser uma pessoa, mas também um trabalho ou uma atividade.

8- Aprenda a apanhar: Estranho esse título, mas o capítulo é ótimo, pois quando lançamos nosso trabalho no mundo as críticas surgirão, algumas com as quais podemos aprender e crescer, outras por pura inveja, então precisamos saber lidar com essas críticas e com essas pessoas (que o autor chama de trolls) é importante, mas também nos lembra que existem os botões de excluir e bloquear. rsrsrsrs

9- Venda-se: O tema desse capítulo é como conseguir viver de sua arte, aqui fala sobre como usarmos as mídias que ajudam na tarefa de conseguirmos colaboradores ou parceiros para nossos projetos. Também nos lembra que devemos ficar felizes quando pessoas alcançam sucesso e comemorar com elas sua vitória. O básico é: devemos fazer um bom trabalho, aproveitar as oportunidades, tentar coisas novas, expandir nosso público e ser generoso sempre.

10- Fique por perto: siga sempre em frente, cada projeto que terminar pule para o próximo analisando o que se perdeu e o que poderia ter sido melhor, não perca tempo precioso, mas… devemos ter sempre um tempo para nos desligar e ter uma pausa para nos reabastecermos, um tempo para nos conectarmos a natureza, exercitar nosso corpo e sempre separar nosso vida de trabalho da doméstica.

Como falei lá no início o livro tem um texto leve, conciso, é repleto de ilustrações criativas e muitas citações, essa é uma característica do autor que eu gosto muito, o livro Roube com um artista também é assim, falei um pouquinho dele aqui, mas não foi uma resenha.

O livro é excelente para quem precisa aprender ou ter coragem para mostrar seus trabalhos, permitindo que o leitor/artista supere seus medos e insegurança e consiga mostrar suas ideias e seu processo criativo. Eu demorei muito para ter meu blog porque ficava com medo do que as pessoas iriam pensar ou a quem o que eu tinha para falar interessaria, só depois de muito tempo resolvi perder o medo e escrever um pouco. É um pedacinho de minhas ideias que fica registrado aqui na blogosfera e que não se perde.

Bem… era isso que eu tinha para falar do livro, recomendo muito.

Agradeço a Marcela, Loma e Mel pela indicação, já estou esperando o próximo livro.

Roube como um artista

Quando comecei a pensar em escrever aqui bateu o maior frio no estômago… E se eu não soubesse o que escrever? E se eu tivesse um branco? E se eu não conseguisse criar os textos? E se, e se, e se…

Então percebi em outros blogs que todos passam por um bloqueio criativo em determinado momento, mas quando isso acontece recorrem a alguma coisa, seja leitura, música ou alguma atividade inspiradora.

Muitas pessoas falavam desse livro: Roube como um artista, Austin Kleon, resolvi comprar para ler e, simplesmente, amei. É uma leitura leve, com várias dicas, como nos fala o subtítulo (10 dicas sobre criatividade). O livro possui 160 páginas, dez capítulos onde cada uma das dicas é desenvolvida, além de muitas citações e vários esquemas e ilustrações que nos ajudam a memorizar e fazem a coesão com o texto.

O livro traz um certo alívio, pois nos faz lembrar que quase nada é original e que toda obra de arte é uma releitura daquilo que já existia previamente e que apenas quando o artista imprime seu estilo é que a torna única.

Esse era o estímulo que eu precisava para aceitar o desafio de escrever e compartilhar com outros meus pensamentos. O livro cita várias coisas que ajudam a organizar as ideias e liberar a criatividade: só devemos escrever sobre o que gostamos, todo artista é um colecionador, não espere saber quem você é para começar e outros tópicos que foram de grande ajuda pra mim.