Falando sobre filmes – Dumplin’

Olá! Voltei!

Passei por um período meio pra baixo, analisando melhor aquilo que realmente era importante em minha vida e por isso fiquei ausente. Inventei de fazer duas pós-graduações ao mesmo tempo e isso me exauriu ao extremo, ao ponto de sentir uma sombra de depressão sobre minha vida. sério… só trabalhar e estudar sem ter tempo para fazer as coisas que eu amo e que me fazem bem quase sugou minhas forças e me tirou a alegria.

Bom… mas esse é um outro assunto. Depois se quiserem posso escrever sobre isso aqui.

Hoje vim falar sobre esse filme muito amorzinho que eu assisti e que foi indicação da Ana Clara Barbosa, do @cla.ilustra em uma cartinha que recebi dela. Bem, ela me enviou uma lista com várias indicações de livros, séries e filmes como desafio, se eu não tivesse lido ou visto 3 de cada eu deveria ver um deles e escrever um post e aqui estou.

Hoje me sentei para ver um deles e escolhi meio que aleatoriamente, pelo nome, o primeiro que me saltou aos olhos foi Dumplin’, digitei na ferramenta de busca na Netflix e ele estava disponível.

Sinopse: Sinopse Willowdean Dickson (Danielle Macdonald), é uma jovem acima do peso e bastante confiante com o próprio corpo, apesar de não ter o respeito de sua mãe, uma ex-miss (Jennifer Aniston). Quando se apaixona pelo atleta Bo (Luke Benward) e começa a ter inseguranças. Will decide entrar num concurso de beleza como forma de protesto.

Sério… essa sinopse não faz jus ao filme. Willow teve uma tia que a fez se sentir amada e aceita, mas ela mesma não se aceitava. Essa particularidade dela fica clara quando Bo lhe dá um presente e ela conta para sua melhor amiga Ellen (Odeya Rush) que diz que Bo gosta dela. A resposta de Willow foi que ele não poderia gostar dela, os dois eram muito diferentes.

Então Willow encontra uma inscrição para um concurso de miss adolescente nos pertences da tia Lucy que ela e a mão iriam doar (ah! a tia dela havia morrido) e que nunca teve coragem de enviar. É nesse momento que ela decide se inscrever para o concurso de miss junto com Ellen, mas em protesto e para aborrecer sua mãe, pois era claro seu desdém pelo concurso.

Nesse meio tempo Bo se declara para ela, que diz que não sabe o porque dele gostar dela e que eles no mundo real não funcionariam. Briga com Ellen quando vê que ela está se envolvendo e gostando de participar do concurso, pois ela facilmente ganharia.

A Willow não se aceitava e por isso não aceitava a visão que as outras pessoas tinham dela. Ela acaba se reaproxima da mãe e ao final do filme ela se aceita, sim ela está acima do peso, mas ela pode ser amada e amar. Ah! o título do filme é o apelido pelo qual a mãe chama a filha.

Bem… a minha vida inteira eu briguei com a balança, nunca estive no padrão de beleza das passarelas e nunca conseguiria estar, pois esse não é o padrão do meu corpo. Então o filme resgata um pouquinho de minha vivência na adolescência, por isso talvez eu tenha gostado tanto dele.  Mas no fim das contas é aquilo que pensamos de nós mesmos que vale. Se nos amarmos realmente as pessoas verão essa força e amor que emana.

Então minha mensagem para você hoje é essa: Se ame! Se aceite! Se descubra linda! Saiba que você pode ser feliz!

Se gostou do pouquinho do que eu falei aqui vai ver o filme… 🙂

Bullet journal 2019 – Março

Olá! Fevereiro passou rápido e fiquei bem atarefada, além de ter ficado gripada, então fiquei ausente aqui e devendo trazer vários artigos que quero escrever, mas aproveitei a pausa do carnaval para dar um pulinho aqui e te mostrar como vou organizar meu mês de março.

Esse mês eu escolhi o tema Girl Power para compor as semanas em comemoração ao mês da mulher e esse tom coral que combinou com os adesivos que comprei da Andressa do @cruellaatelie. Achei que ficou bem lindinho!

Na capa de março usei um layout bem básico, apenas escrevi março com a ponta pincel, colei um adesivo com uma inspiração para o mês, leitura e tranquilidade e escrevi GRL PWR.

IMG_20190302_082321540.jpg

Para o registro mensal eu mantive o calendário, tinha pensado em fazer igual ao que o Carroll propõe no método, mas não consegui e também lendo o livro uma das coisas que ele fala do bujo é que ele é adaptável a necessidade de cada um, então desencanei da necessidade de seguir tão a risca o original.

Deixei um espaço para colocar minhas metas do mês, também tem um espaço para colocar ideias aqui para o blog e para o meu Instagram (já me segue lá? Não! Então clica aqui.) e os livros que eu pretendo ler e comprar, pesquisar mais sobre outros e fazer resenhas de alguns. Em seguida coloquei minhas páginas favoritas, memórias e gratidão, mantendo um layout simples, mas que tem funcionando bem para mim. Acrescentei uns adesivos fofíneos para dar um ar mais alegre.

Agora vou falar sobre as novidades no meu bujo, esse mês resolvi colocar meu Sleep Log e Habit Tracker em duas páginas separadas do spread semanal, já estou habituada a preencher essas páginas e acho que vou lembrar de preenchê-los, diferente de antes, depois conto se vai dar certo.

Mês passado fiz entre as semanas um planejamento de minha rotina ideal em uma página separada e gostei muito, ela é um esboço daquilo que devo fazer para meu dia fluir sem estresse e atrasos, então resolvi mostrar para você aqui, pois já havia colocado lá no meu IG.

IMG_20190207_080418030.jpg

Meu registro semanal voltou a aparecer aqui. Lembra que em fevereiro eu tentei usar o registro diário? Então… não deu certo eu ficava ansiosa para colocar tudo que havia planejado para a semana e esse é o objetivo oposto do método. A diferença é que agora ele tem muito mais espaço para eu anotar aquilo que aconteceu no dia.

O que eu usei: caderno Leuchtturm1917, caneta Tombow dual brush 873 (Coral), caneta unipin 0.1, canete Tombow fudenosuke hard, adesivos da Cruella.

E era isso que eu queria mostrar a você do meu planejamento mensal! espero que tenha gostado. Beijinhos e até breve! Fale um pouquinho como você se organiza também.

 

 

5 coisas que me ajudam a relaxar

Olá… gostei tanto de escrever aquele post sobre 5 coisas que me fazem feliz que resolvi escrever um pouco sobre as 5 coisas que me ajudam a relaxar, quem sabe pode ajudar você também a descobrir aquilo que te ajuda a viver com menos estresse e de maneira mais leve. Então vamos lá…

1- Lettering

Uma das melhores coisas que resolvi aprender recentemente, no início foi super difícil, e ainda é… preciso melhorar muito ainda, mas porque o lettering me ajuda a relaxar? A técnica exige que você repita inúmeras vezes a mesma palavra e em um ritmo mais lento, não adianta querer escrever no ritmo que escreve no dia a dia ou digita, não vai ficar bonito. No lettering a gente praticamente desenha as letras, por isso tem que ter calma, paciência e persistência para fazer uma letra bonita e depois juntar a arte. Todo esse processo ajuda muito no controle da ansiedade… e olha que eu sou muito ansiosa e posso dizer imediatista, então desacelerar fazendo alguma coisa é muito bom…

2- Ler

Ler é um hábito saudável e não só para a parte cognitiva, mas ler também ajuda a relaxar, além de muitos outros benefícios. Mas por que a leitura relaxa? São vários os motivos e os principais são: Ler reduz a frequência cardíaca, diminuiu a tensão muscular e nos permite escapar, mesmo que por minutos, das preocupações do cotidiano e a enfrentar melhor a rotina com a qual temos que lidar.

Segundo David Lewis, neurolinguista da Universidade de Sussex, Inglaterra, não importa o livro que você lê, qual gênero, se ficção ou não ficção, mas estando completamente absorto em um livro você pode escapar das preocupações e estresses do mundo cotidiano e passar um tempo explorando o domínio da imaginação do autor. Esse engajamento ativo da imaginação estimulam sua criatividade e faz com que você entre no que é essencialmente um estado alterado de consciência. E seu estudo mostrou que os níveis de estresse diminuem em 68% durante uma leitura de apenas 6 minutos.

3- Massagem nos pés

Pelo menos uma vez no mês eu gosto de fazer um SPA dos pés que nada mais é que um tratamento no qual recebemos esfoliação, depois uma hidratação e uma massagem com óleo nos pés e pernas. É muito bom, principalmente depois de uma semana cheia de trabalho. Segundo a reflexologia podal existem pontos nos pés para cada problema no nosso corpo, a pressão desses pontos auxiliam na liberação de bloqueios e na liberação de energia, aumentam a sensação de bem-estar, além de melhorar a circulação sanguínea. Além disso, nossos pés nos levam para todos os lados e aguentam firmes nosso peso e correria, então nada mais certo que cuidar bem deles, não é mesmo?

4- Ver filmes ou séries

Para mim é uma excelente forma de relaxar e quando estou muito cansada ou estressada prefiro filmes leves, sem muito drama ou suspense, apenas para me envolver com a história. Acho que para mim funciona um pouco como a leitura, mas é algo que faço acompanhada, enquanto a leitura é um momento individual.

5- Ir a praia

Ir a praia é uma excelente forma de combater o estresse para mim, por tudo, o sol, a água do mar, a areia… mas por que? Bem… o sol é muito temido hoje em dia, mas doses pequenas de sol no corpo (sem protetor solar) é importante para produção de vitamina D, que é fundamental para o músculo trabalhar melhor e para aumentar os níveis de energia do organismo. A areia proporciona uma massagem natural nos pés, olha ela aí de novo, durante uma caminhada na praia e estimula vários pontos, além de liberar os hormônios da felicidade. O mar é excelente para ajudar seu nível de estresse reduzir.

Aprendendo fotografia #1: tipos de câmeras.

Olá! Recentemente comecei um curso de fotografia para poder melhorar as fotos aqui do blog e lá do instagram e resolvi trazer um pouquinho do que estou aprendendo aqui… não tenho a intenção de que seja um curso, mas quero sim compartilhar algumas dicas para que possamos encher nossos feeds com belas fotos, pois a fotografia é uma das maneiras de colorir o mundo… Então vamos lá!

Nesse primeiro tópico vou falar sobre os tipos de câmeras disponíveis, hoje em dia há uma infinidade de opções, também com vários preços, então é sempre bom conhecer os vários modelos para poder escolher a melhor opção e assim evitar gastar mais e acabar se decepcionando.

Não vou falar sobre todos os tipos de câmeras que existem, até porque não conheço todos eles, então trouxe aqui os mais comuns e que também já tive contato.

1- Compactas:

Possuem tamanho reduzido e são bem fáceis de operar, pois contam com os modos de ajustes automáticos, que ajustam a configuração da câmera. Existem também as câmeras chamadas supercompactas, possuem dimensões ainda mais reduzidas, e permitem que você leve sua câmera para todo lugar discretamente. Alguns modelos compactos oferecem alta resolução e recursos extras  e são uma boa opção para ter sempre por perto.

2- SuperZoom:

São aquelas câmeras um pouco maiores que não trocam lentes e tem cara de câmera profissional, oferecem opção de zoom poderoso e a possibilidade de ajustes manuais de velocidade, sensibilidade (ISO) e abertura, mas seus sensores são pequenos e como suas lentes são fixas, é preciso utilizar adaptadores para obter fotografias diferenciadas.

Usei uma Nikon Coolpix P500 por muito tempo e gostava muito dela, conseguia ótimos cliques, só troquei quando me inscrevi em um curso de fotografia e lá exigia uso de uma DSLR. Ela realmente tem algumas limitações e sua portabilidade não é das melhores. Mesmo sendo menores que as DSLR, ainda assim chamam a atenção. Sempre levava a minha em um case próprio, mas nem se compara a mochila que tem que ter para levar uma DLSR. Outra coisa importante de falar é que algumas superzoom são muito mais caras que uma DSLR, então pesquise bem antes de comprar a sua.

nikon-coolpix-p500_4
Nikon Coolpix P500 – foto do site http://www.cameraversuscamera.com.br

3- DSLR:

A sigla DSLR significa Digital Single Lens Reflex e esse tipo de câmera geralmente possui sistemas de lentes intercambiáveis, então são conhecidas por câmeras que você pode trocar as lentes. Além disso ela possui todos recursos manuais, mas também possui modo automático (mas resista a ele e não use) e seus sensores são um pouco maiores que as do modelo anterior.

Existem alguns modelos de entrada bem em conta, então vale a pena investir em uma para você, poi uma dica muito legal que li num site, não me lembro mais qual, foi para avaliar bem os preços das câmeras e dos modelos, comparar os recursos com sua realidade.

Então quando fui comprar a minha optei pelo modelo que tinha uma boa configuração e o melhor preço (avaliei o custo x benefício) e resisti a algumas coisas que encareciam mais e que não eram essenciais para mim agora. Existem câmeras melhores que a minha, mas não sou profissional e, afinal de contas, ainda estou aprendendo. Estou amando a experiência das fotos com ela e a oportunidade de adquirir mais lentes e conseguir explorar mais opções de imagem.

42003682_2360230034204528_6816402059856707584_n
Essa é a minha câmera – Canon EOS Rebel T6.

4- Instantânea:

Esses modelos foram muito famosos anos atrás e agora voltaram com força total, são aquelas câmeras que as fotos saem na hora já “impressas” então você pode ver como ficou a foto e compartilhar momentos. Tem os modelos mais baratos e mais caros e cheios de recursos. Falei da minha nesse post se quiser lembrar ou ler.

img_5445.jpg
Meu xodó, amo as fotos dela e ainda dá para fazer selfie – Instax Mini 9.

5- Smartphone:

Os smartphones atualmente possuem câmeras de alta resolução e são uma excelente opção para fotografias casuais. Câmeras com 12 mega pixels ou mais são super comuns hoje em dia e captam imagens de qualidade excelente para visualização em tela e impressão, além de registrarem vídeos FullHD. Também existem modelos que possibilitam a configuração de iluminação da imagem e exposição, estão cada dia mais desenvolvendo boas câmeras para smartphones.

Alguns smartphones tem também opções de adaptação de lentes mais poderosas para registro de imagens ainda melhores, um dos modelos da Motorola, a linha Z play tem como recurso usar os Moto Snaps e tem duas opções para fotografia: Snap Câmera Polaroid e Snap Câmera Hasselblad.

Outros tipos de câmeras: mirrorless, câmeras de ação, 3D, a prova d’água e multifoco.

Era isso que eu tinha para falar hoje, espero que tenha gostado e que te ajude a conhecer um pouco mais das opções disponíveis. Mas a ideia é sair por aí clicando e registrando momentos incríveis. O próximo post dessa série será sobre as objetivas (mais conhecidas como lentes) espero você.

Como cumprir metas

Olá! Hoje resolvi falar um pouquinho sobre como eu faço para cumprir minhas metas. A primeira coisa que devemos ter em mente é que metas são apenas isso, metas – objetivos a serem alcançados… elas estão ali para nos ajudar, nos nortear, e não para nos fazer ficar tensos e estressados, são uma ferramenta maravilhosa se soubermos usar. Parece óbvio, mas já ouvi muita gente se queixando de que tem muita coisa para fazer… que precisa cumprir tudo… que tem que dar conta de tudo… e quase surtando por querer abraçar o mundo inteiro e fazer tudo de uma só vez. E eu também já fui assim…

Mas então como conhecer nossas metas e como fazer para cumpri-las? A primeira coisa que você precisa fazer é se sentar em um local calmo com um papel e caneta em mãos, se quiser, e gostar, também pode usar marca-texto de várias cores ou canetas coloridas para ajudar na organização. Coloque no papel tudo aquilo que você tem como meta, pessoal e para o trabalho/estudo, não se preocupe em organizá-las agora, basta ir escrevendo e colocando tudo no papel a medida que for lembrando.

Já colocou tudo no papel? Então agora é a hora de separar tudo em categorias – as que são pessoais e das  que são comerciais (vou chamar assim as referentes ao trabalho), para isso você pode colocar ao lado delas as iniciais P (pessoais) e C (comerciais) ou denominar da forma que mais te agrada, ou até mesmo colocar cores. No meu caso eu separo em mais categorias, pois uso uma lista de metas aqui para o blog também e tenho metas para outras mídias, mas que são bem mais pra frente.

Separadas as categorias acima é hora de dividi-las em mais outras três categorias: curto, médio e longo prazo. Esse processo ajuda a tirar a frustração de não conseguir cumprir todas as metas e no processo de organização de esforço e planejamento. Após separa-las nas categorias de tempo a cumprir você pode ainda separar as top três de cada uma dessas categorias, ou seja, quais as metas que são mais importantes e as que você quer cumprir primeiro. Esse processo ajuda a focar naquilo que realmente é importante e evita que gastemos tempo e esforço desordenadamente. Se eu sei onde quero chegar fica mais fácil decidir como chegar.

Feito tudo isso é hora de passar a limpo para uma lista definitiva e deixa-la em um local de fácil acesso e visualização para checar, marcar e registrar aquilo que já atingimos. Sempre que uma das metas do top 3 for atingida uma nova metas deve ser escolhida para preencher esse lugar. Todo esse processo pode parecer demorado, mas é uma ajuda imprescindível para nos fazer economizar tempo, pois o tempo que você investir aqui você vai ganhar muito mais durante a execução. Essa é a diferença entre ser produtiva e viver ocupada e atarefada, sem nunca conseguir cumprir nada.

Quem me acompanha aqui sabe que eu uso o método de planejamento bullet journal e que eu amo listinhas e trackers. E planejamento de metas está entre as coisas que eu também faço, mas muitas vezes elas ficavam esquecidas lá no início do caderno e eu só lembrava delas no fim do ano, então não aconselho a coloca-las em um local onde você não irá consulta-las sempre.

Então, desde janeiro desse ano, eu coloco minhas metas junto ao registro mensal (monthly log), pois é um local que eu consulto sempre, no mínimo uma vez por semana, e passo essas metas para o meu registro semanal quando vou monta-lo. Essa foi uma maneira de visualiza-las sempre e não esquecer de nenhuma delas. Todo mês eu checo as que cumpri e se faltou alguma eu transfiro para o próximo mês. Também estou pensando em colocar essas metas em um quadro no meu escritório, assim toda vez que eu me sentar para fazer alguma coisa vou olhar para elas.

Mas, como tudo na vida, nossas metas também podem mudar e aquilo que hoje era importante para mim pode ser que o tempo mostre que não tem mais nada a ver comigo e com aquilo que quero ou preciso. E esse é o motivo que me faz amar esse processo, porque tudo bem você mudar a medida que você vai crescendo e sua percepção de vida e daquilo que realmente importa vai mudando, você pode perceber que já não faz mais sentido aquela meta estar ali, que você não tem mais interesse naquilo… Mas o que fazer? Simples… basta cortá-la de sua lista e seguir em frente. Eu já experimentei essa sensação de saber o que é importante e essencial e foi muito bom, esse processo é libertador!

Bem… era isso que eu tinha para falar hoje, espero que tenha gostado e que te ajude a se organizar mais. E você, já usa algum tipo de controle de metas? Conta aqui nos comentários ou, se preferir, fale comigo por aqui. Abraços e até a próxima.

Só um exemplo de como organizar sua lista e de que suas atividades devem trazer felicidade.

Planejando meu mês de outubro

Como o mês passou rápido não é mesmo… já estamos no final de setembro, a sensação que tenho é que os dias estão correndo demais, por isso é tão importante planejar nossa rotina e tudo aquilo que temos que fazer. Antes eu não conseguia ser tão produtiva quanto hoje, por isso percebo cada vez como o bullet journal me ajudou nesse processo.

Então vamos conhecer um pouquinho de como vou planejar meu próximo mês… se você já me acompanha a algum tem sabe que eu sempre escolho uma cor para usar durante todo o mês, então para outubro escolhi esse verde menta, não sei muito bem nome de cores, mas acho que é esse mesmo, e como quis fazer uns desenhos de flores usei também um pouco de rosa, que talvez volte a aparecer, mas ainda estou estudando como fazer para não ficar estranho.

Como já falei a capa do mês eu mudei, resolvi ousar mais um pouquinho, ser mais artística, então fiz um desenho, pintei, usei washitape e coloquei um calendário para complementar o layout e facilitar acesso as datas de forma rápida. Então ficou assim…

Coloquei uma página de inspiração para o mês, aqui pretendo colocar frases, recortes, desenhos, adesivos e tudo o mais que me ajude no processo criativo, toda referência que posso ter para criar mais e mais. Ainda não havia preenchido nada no momento da foto, mas quem quiser pode acompanhar na minha página do Instagram que com certeza vou colocar nos próximos dias.

A seguir coloquei meu registro mensal, com o layout de calendário de sempre. Eu preciso sempre dessa página, pois não faço todas as semanas de uma vez só, então os compromissos que já tenho agendado coloco nesse calendário e a medida que vou fazendo o spread semanal vou colocando nas datas os compromissos que já estavam marcados aqui. Nessa página também coloco um espaço para notas, um local separado para os livros que quero ler e os que quero fazer resenha, minhas metas do mês e um mini planejamento para o blog.

Em seguida coloquei as páginas que eu mais amo no meu bujo – memórias e diário da gratidão – esse mês elas estão juntas. Escolhi coloca-las juntinhas porque percebi que elas meio que se repetiam e misturavam… então agora elas vão ficar realmente juntas e meu maior desafio vai ser resumir meu motivo de gratidão em uma palavra ou expressão, realmente, curta.

E finalmente chegamos no spread semanal – semana 40 – gostei muito do jeitinho que ficou, achei bem clean e funcional. Dessa vez coloquei todos os dias da  semana em uma página e as listas e trackers em outra página, não teve nenhum motivo específico, a outra forma que eu usava funcionava muito bem (se quiser lembrar clica aqui), mas quis mudar para sair da mesmice e poder exercitar minha criatividade, afinal de contas sair da zona de conforto é importante. Não ficou lindinho?

Era isso que eu tinha para mostrar do meu planejamento para outubro. E você, já se planejou? Qual seu método de planejamento preferido? Você gostaria que eu disponibilizasse alguns freebies aqui? Quais? coloca aqui nos comentários ou, se preferir, clica aqui e me conta. Abraços e até logo.

Caligrafia para relaxar #2

Olá! como eu prometi, no post anterior, vou mostrar aqui a minha evolução durante as atividades do livro Caligrafia para relaxar, no post anterior eu falei um pouquinho do livro e da primeira lição e mostrei a minha frase final. Se você não leu pode conferir aqui

Hoje vou mostrar para você o que aprendi nas lições 2, 3 e 4. Minha intenção era falar sobre mais lições hoje, mas sabe uma pessoa que quer fazer mil coisas ao mesmo tempo, aí não deu tempo de estudar mais duas lições, mas também não adianta fazer tudo correndo e não ficar com boa qualidade, até porque o legal é você ir tentando colocar em prática em outras frases aquilo que aprendeu nas lições.

Mas vamos lá… no segundo capítulo do livro a autora nos propõe usar coroas e guirlandas e incorporar ao lettering para compor a arte, confesso que gostei bastante, pois sempre tive medo de brincar mais e geralmente eu fazia as letras e só, ficava intimidada em tentar colocar alguma desenho e acabar estragando a composição no final. Afinal de contas dá uma trabalheira enorme tentar fazer uma letra bonita e acabar estragando tudo no finalzinho ia ser uma tristeza. Eu amei a frase que ela propôs – A prática leva a evolução. Não é tranquilizante não precisar buscar uma perfeição? Nos liberta da nossa fixação em busca dessa perfeição em tudo e buscamos a evolução, o crescimento, isso é um ganho.

Daí que essa lição me deu coragem para fazer essas brincadeiras e tornar o lettering o início de uma arte, pois só assim eu cumpriria a atividade proposta, não é mesmo? Então para mim esse é um ponto a mais para o livro, que acaba me forçando a sair da minha zona de conforto.

E que surpresa boa quando vi que na terceira lição a frase proposta era justamente a vida começa onde termina sua zona de conforto! Nessa lição a autora nos mostra como faixas básicas podem dar mais graça e leveza ao desenho, destacando aquilo que queremos enfatizar.

A lição 5 traz o E comercial e a frase sonhe e realize! Aqui a gente pode tentar também introduzir os outros elementos propostos e ir tornando as frases mais completas e cheias de vida. Tenho gostado muito da experiência de acompanhar as lições, a técnica de lettering e o uso do bullet journal para mim são importantes para combater minha ansiedade e ajudar a liberar o estresse.

Abaixo coloco algumas fotos para você conferir minha evolução… espero que tenha gostado e se anime a tentar coisas novas também. Se quiser deixe sua opinião aqui nos comentários será muito bom. Um abraço e até o próximo post. 🙂

 

Meus livros de Agosto

Olá!

Esse mês comprei alguns livros que espero logo ler! Na verdade dois deles são sobre lettering, um sobre caligrafia e outro sobre técnica de lettering em giz, então esses não são livros que vou terminar em uma leitura apenas, mas espero ser perseverante e usar todas as técnicas e aprimorar meu conhecimento. Coloquei os livros em forma de lista para facilitar a visualização, espero que goste das dicas.

1- Caligrafia Para Relaxar: Cultivando a Calma e a Alegria Com a Arte da Escrita à Mão – Amy Latta, editora sextante, 204 páginas.

Sinopse: Uma introdução simples e divertida à arte da caligrafia. Unindo técnicas de escrita à mão com textos inspiradores sobre a necessidade de desacelerar e de aceitar a vida como ela é, este livro é uma ótima maneira de cultivar a calma, promover a alegria e celebrar a beleza. À primeira vista, dominar a arte da caligrafia pode parecer difícil, mas você vai se surpreender ao ver como é simples criar lindos projetos. A artista plástica e blogueira Amy Latta usa uma abordagem amistosa e acessível que o tornará confiante para dar os primeiros passos – e logo você estará produzindo verdadeiras obras de arte. Aprenda a criar letras que parecem feitas com pincel, depois acrescente ornamentos, como ramos de folhas, rosas, faixas, fitas, arabescos e penas que vão valorizar muito seus desenhos. Trazendo 46 exercícios explicados em detalhes, este livro vai ensinar a fazer diversos tipos de letras e a utilizar técnicas simples para criar efeitos de luz, sombra, relevo e destaque. Com apenas um pouco de prática, você se sentirá seguro para compartilhar seus trabalhos nas redes sociais, fazer presentes personalizados e até decorar a sua casa. Ao longo desse processo, ainda vai saborear mensagens que vão inspirá-lo a reservar um tempo para si mesmo, liberar sua criatividade e tornar sua vida mais bonita.

Minhas impressões: O livro possui encadernação brochura, tem 24 cm de largura e 23 cm de altura, papel com boa gramatura (não tem especificado) com espaços para realizar as atividades, embora o papel não seja adequado para alguns materiais sugeridos no livros, pois é poroso. A maior parte do conteúdo é bem básica, mas para iniciar no tema ele é bem legal… espero que me ajude a despertar minha criatividade nesse tema, já que a maioria das vezes nem imagino como iniciar um lettering.

2- Como eu era antes de você – Jojo Moyes, Editora Íntrínseca, 320 páginas.

img_7490

Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, um emprego que não paga muito, mas ajuda nas despesas, e namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro. Como eu era antes de você é uma história de amor e uma história de família, mas acima de tudo é uma história sobre a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

3- Nada mais a perder – Jojo Moyes, editora Intrínseca, 400 páginas.

img_7487

Sinopse: Na juventude, Henri Lachapelle foi um cavaleiro de raro talento, entre os poucos admitidos na academia de elite do hipismo francês, o Le Cadre Noir. Contudo, reviravoltas da vida o levaram da França a Londres, onde ele agora vive em um simples conjunto habitacional. Sem nunca abandonar o amor pela antiga carreira, aos trancos e barrancos Henri ensina a neta, Sarah, a montar o cavalo Boo, na esperança de que o talento da dupla seja o passaporte para uma vida melhor e mais digna para todos. Mas um grande golpe muda mais uma vez os planos de Henri Lachapelle, e Sarah se vê entregue à própria sorte, lutando para, além de sobreviver, cuidar de Boo e manter os treinamentos. Natasha é uma advogada especializada em representar crianças e adolescentes envolvidos com crimes ou em situação de risco. Abalada emocionalmente e em dúvidas quanto a seu futuro profissional depois de um caso terrível, Natasha ainda tem de lidar com as feridas do fim de seu casamento. Um fim, diga-se de passagem, bem inusitado, já que ela se vê forçada a morar com o charmoso futuro ex-marido enquanto esperam a venda da casa da família. Quando Sarah cruza o caminho de Natasha, a advogada vê na menina a oportunidade de colocar a vida de volta nos trilhos e decide abrigar a adolescente sob o próprio teto. O que ela não sabe é que Sarah guarda um grande segredo que lhes trará sérias consequências.

4- Um de nós está mentindo – Karen M. McManus, editora Galera Record, 384 páginas.

img_7486

Sinopse: Cinco alunos entram em detenção na escola e apenas quatro saem com vida. Todos são suspeitos e cada um tem algo a esconder. Numa tarde de segunda-feira, cinco estudantes do colégio Bayview entram na sala de detenção: Bronwyn, a gênia, comprometida a estudar em Yale, nunca quebra as regras. Addy, a bela, a perfeita definição da princesa do baile de primavera. Nate, o criminoso, já em liberdade condicional por tráfico de drogas. Cooper, o atleta, astro do time de beisebol.
E Simon, o pária, criador do mais famoso app de fofocas da escola. Só que Simon não consegue ir embora. Antes do fim da detenção, ele está morto. E, de acordo com os investigadores, a sua morte não foi acidental. Na segunda, ele morreu. Mas na terça, planejava postar fofocas bem quentes sobre os companheiros de detenção. O que faz os quatro serem suspeitos do seu assassinato. Ou são eles as vítimas perfeitas de um assassino que continua à solta? Todo mundo tem segredos, certo? O que realmente importa é até onde você iria para proteger os seus.

5- O conto da Aia – Margaret Atwood, editora Rocco, página 368.

img_7489

Sinopse: A história de ‘O conto da aia’ passa-se num futuro muito próximo e tem como cenário uma república onde não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes – tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado – há as esposas, as marthas, as salvadoras etc. À pobre Offred coube a categoria de aia, o que significa pertencer ao governo e existir unicamente para procriar. Offred tem 33 anos. Antes, quando seu país ainda se chamava Estados Unidos, ela era casada e tinha uma filha. Mas o novo regime declarou adúlteros todos os segundos casamentos, assim como as uniões realizadas fora da religião oficial do Estado. Era o caso de Offred. Por isso, sua filha lhe foi tomada e doada para adoção, e ela foi tornada aia, sem nunca mais ter notícias de sua família. É uma realidade terrível, mas o ser humano é capaz de se adaptar a tudo. Com esta história, Margaret Atwood leva o leitor a refletir sobre liberdade, direitos civis, poder, a fragilidade do mundo tal qual o conhecemos, o futuro e, principalmente, o presente.

Escrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

6- The Complete Book of Chalk Lettering: Create and Develop Your Own Style (English Edition) –  Valerie McKeehan, editora Workman Publishing Company, 177 páginas.

Sinopse: Utilizado em boutiques, cafés e em decoração de casa, a arte de rotulação de giz está mais voga que nunca. Valerie McKeehan, um destaque do Etsy cujo trabalho foi apresentado em revistas e sites da Good Housekeeping para o RealSimple.com, nos ensina tudo o que precisamos saber para criar lindos designs de giz desenhados à mão. O livro também tem um espaço de prática, com três “quadros” desdobráveis ​​- a capa interna e a capa traseira são forradas com papel de quadro-negro, onde pode-se treinar as técnicas. Possui mais de 60 lições, onde se aprende o ABC das letras (literalmente) e seus estilos básicos: serif, sans serif e script. Em seguida mostra como projetar um design, combinando vários estilos em uma peça coesa, adicionando sombras e dimensão, a dominar estilos de letra mais avançados e usar faixas, bordas e floreios. E, finalmente, nos propõe 12 projetos para mostrar as habilidades adquiridas!

Minhas impressões: Embora seja em inglês dá para entender bem as explicações, mesmo meu inglês não sendo avançado. O livro é bem explicado e tem muitas fotos mostrando como realizar o projeto. Gostei do fato de ter várias fontes para treinar e um passo a passo bem explicado de como elaborar cada projeto. As fotos são bem bonitas e dá para visualizar bem cada passo, tudo muito organizado. Na verdade quero aprender mais sobre lettering, pois estou amando o tema.

Bem… era isso que eu tinha para mostrar esse mês sobre meus livros, você gostaria de ler sobre algum livro em especial por aqui? Se sim, deixe nos comentários. 🙂

Planejando meu mês de agosto

Fim de mês chegando e é hora de planejar o próximo mês… simplesmente amo essa sensação de recomeço que tenho, tudo o que não conseguir atingir de meta em um mês e uma nova chance de conseguir no mês que se aproxima e continuar, além de continuar com tudo que deu certo e poder eliminar aquilo que não é mais importante. Essa é a vantagem do bullet journal…

Bem, em agosto eu escolhi a cor amarela nesse tom mais ocre para o mês, faz parte do estojo Tombow pastel e a cor é a n° 991, e fiz essa capa do mês bem simples, com as estrelas (prometo que vou tentar melhorar) e esse freebie do mês de agosto da Andressa,  do Dessamore, ela disponibiliza vários freebies no Instagram  e esse dos meses do ano eu achei muito lindo. Se você ainda não conhece ela tem adesivos lindos na loja online e o atendimento é muito fofo, cheio de carinho e cuidado… confere lá, recomendo muito.

Para o meu monthly log continuei usando o modelo de calendário usando duas páginas, com um espaço reservado para notas, metas, livros que planejo ler/comprar e meus planos para o blog. Tudo bem simples e funcional.

Em seguida deixei um espaço para colocar frases que me inspiram e que podem ajudar com meu processo criativo, pretendo focar mais em lettering e é necessário pesquisar frases legais também.

Na página seguinte coloquei o meu diário da gratidão. Lembra que eu usava um modelo que a Kara, do Boho Berry disponibiliza? Então, continuei com o sol lançando seus raios para dividir os locais em que coloco meus motivos de gratidão e escrevi “sou grata por”, aí e só completar com as inúmeras coisas que me fazem feliz e me fazem sentir abençoada. Mas queria um desenho diferente, aí consegui esboçar uma bicicleta, mas estou tentando melhorar, para o layout, a ideia é trazer aquela sensação de alegria.

Meu weekly log dessa semana segue o layout que eu gosto de usar, deixo duas páginas para colocar os dias, além de minhas metas semanais, das metas para o blog, minhas tarefas (algumas eu não tenho que colocar em dias específicos, como por exemplo fazer compra, pesquisar livros, procurar receitas… Mantive o meu habit tracker semanal, o quadro look do dia, onde coloco a roupa que usei (não a que vou usar) e acrescentei o quadro de stats, onde coloco toda segunda-feira a quantidade de seguidores no insta e de visualizações no blog. Para dar um charme fiz esses planetas com umas estrelinhas e coloquei a washitape do Totoro.

Para finalizar meu mês eu sempre deixo a página de memórias, geralmente deixo duas páginas, onde coloco em uma palavra aquilo que marcou meu mês,bem resumido mesmo.

Bem… era isso que eu tinha para mostrar, espero que você tenha gostado e se animado a se planejar e organizar sua rotina.

O verão e as saladas

Como moro em um lugar quente a alimentação faz toda diferença para conseguir resistir aos 40º, uma das minhas eleitas para o verão são as saladas, são leves, frescas e cheias de nutrientes, além de fazerem bem e ajudar a reduzir as medidas.

Não, não sou refém da indústria da magreza, mas gordura em excesso não é saudável.

Sim, morro de medo de engordar muito de novo, perdi 38Kg e ainda estou muito acima do peso tido como ideal.

Então, aliando tudo isso fiz uma salada super prática e saborosa.

DSCN3919.JPG

Receitinha:

  • peito de frango desfiado,
  • cenoura ralada,
  • beterraba ralada,
  • repolho verde cortado fininho,
  • repolho roxo cortado fininho,
  • azeitona,
  • ovos de codorna,
  • alho poró.

Misture tudo em uma vasilha e acrescente iogurte natural ou maionese. para acompanhar eu usei alface americana, capuchinho (essas flores comestíveis) e tomate cereja.

Em um mundo ideal seria tudo orgânico, mas aqui onde moro não é tão fácil assim.