Planejamento mensal – janeiro

Olá!!! Último dia do ano e passei aqui para mostrar a você como ficou meu bujo para o mês de janeiro… Como migrei meu caderno e usei o tom de azul nas páginas iniciais mantive o mesmo tom para o mês de janeiro… sei lá, dá sensação de continuidade.

Janeiro é o meu mês preferido por muitos motivos… é o mês que inicia o ano, então temos sempre a sensação de que recomeço, de renovo, novidade… além disso é o mês do meu aniversário, mês em que celebro a vida e meu coração fica cheio de gratidão, mais um ano de oportunidades de amadurecimento e de novos aprendizados.

Também amo esse clima de férias, mesmo não estando de férias esse ano, mas com o horário de verão até dá pra sair e caminhar na praia ou mesmo tomar um banho de mar antes de ir para casa… por isso gosto tanto dessa época, do sol, das cores, tudo fica mais alegre.

Para celebrar janeiro fiz uma capa bem simples, mas bem festiva, a ideia era representar fogos, mas ficou mais com cara de coqueiros (segundo minha mãe… kkkk) e está valendo também.

Nas páginas seguintes fiz meu quadro de inspirações desse mês, ainda não consegui fazer no meu escritório, então mantive aqui mesmo, ainda vou colocar uns desenhos ou adesivos com as cores escolhidas representadas… mas estou viajando e só quando chegar em casa mesmo.

Essa página te me ajudado muito no meu processo criativo e a elaborar meus spreads semanais, além disso também vou usa-la para compor meus letterings seguindo os temas. Esse mês escolhi temas relacionados ao verão e as férias, por fazer parte das escolhas do grupo de papelaria… Quando finalizar essa página vou colocar la no @colorindoideiasbr.

Meu registro mensal seguiu o mesmo modelo dos anteriores, em forma de calendário, mas diminui um pouco o espaçamento para poder ganhar mais espaço para minhas metas e minhas leituras, pois a partir desse mês vou participar de duas leituras coletivas – Stephen King e Os miseráveis – e como serão bem intensar eu preciso me organizar bem para poder conseguir dar conta de cumprir as duas, ainda não fiz as páginas das leituras coletivas, mas coloquei aqui nessa página o que preciso ler todo semana.

Minhas páginas seguintes são gratidão e memória, essas são muito importantes para mim, pois me ajudam a manter em mente todas as coisas que aconteceram no mês e no ano e o coração alegre por tantos motivos de gratidão. Em breve vou falar aqui de como fazer para migrar essa página e anotar essas lembranças no meu novo caderno e assim elas ficarem bem pertinho de mim também nesse ano…

Em seguida meu registro semanal, que para mim tem sido suficiente… minha semana começou na terça por causa da mudança de ano… mas na próxima eu acerto o início na segunda. Depois de dar uma relaxada nesse fim de ano voltei a rastrear meus hábitos e meu sono.

Uma diferença que vai ter agora é que vou usar color code para meu sono, cada cor vai representar a qualidade dele. Quero ver o que influencia em uma noite de sono agitada ou tranquila, para tentar conhecer aquilo que será melhor para sempre ter uma noite mais proveitosa e com melhor descanso.

Algumas pessoas me perguntam quais acessórios eu uso, então vou colocar aqui a lista do que usei para esse mês: Canetas pincel Tombow cores 451 e 452, Caneta unipin fineliner 0.1 cinza claro e preta, adesivos verão da @meg.rv (ainda não tem disponíveis para venda, mas em breve ela vai postar na conta dela), então fiquem de olho lá.

Bem… era isso que eu queria mostrar hoje, espero que tenha gostado. Beijos e Feliz Ano Novo para todos nós!!! 🙂

Anúncios

Migrando meu Bujo de caderno: Novo ano, novo caderno

Olá! Tudo bem com você?

Hoje vou falar sobre como migrar de caderno no bullet journal. Meu caderno deu certinho para um ano. Você lembra do meu caderno preferido? Falei sobre ele nesse post e um dos motivos que me fazem gostar dele é que tem 249 páginas já numeradas, geralmente os cadernos possuem apenas 160 páginas e sem numeração.

Eu comprei o livro O método bullet journal do Rider Carroll e lendo sobre migração anual ele indica a sempre começar o ano em um novo caderno, ano passado eu fiz isso sem saber que era indicado, mas porque eu queria a sensação de estar renovando meus projetos com o novo ano, então sobraram algumas páginas nele, além disso estava doida para estrear meu novo caderno.

Esse ano foi uma feliz coincidência o caderno acabar junto com o ano… na verdade usarei até a página 234, mas as outras foram usadas para o pen test, coisa que não fiz nos meus cadernos anteriores e quando usava as canetas as páginas seguintes ficavam manchadas.

Bem, mas vamos ao tema de hoje… como migrar do seu caderno antigo para um novo.

A primeira coisa que devemos fazer é uma análise do índice, em uma folha anote todas as suas coleções e você terá um mapa daquilo em que usou seu tempo e sua energia. Assim terá como escolher quais as coleções você irá usar no novo caderno e quais as coleções, e até mesmo tarefas, não precisam te acompanhar no próximo bullet journal. Gostei da frase que Carrol colocou no livro: um novo caderno não é um recomeço – é um novo patamar atingido.

No meu novo caderno eu mantive algumas coleções e acrescentei outras, mas muitas eu não vou usar em meu novo caderno, eu falei sobre minhas coleções quando iniciei meu caderno em 2018, para ler é só clicar aqui. As páginas obrigatórias para uso do método estão lá, claro, e são: índice, legenda e future log.

Para começar deixei duas páginas com inspirações para 2019, que vão funcionar mais ou menos como meu quadro de inspirações mensais, que comecei a usar em outubro, só que mais estendida, na verdade é tudo aquilo, ideias e ferramentas, que preciso para atingir meus objetivos para 2019.

E essa é a minha página seguinte, minhas metas para 2019, para o blog e para minha vida pessoal. Em 2018 não consegui escrever tanto quanto eu queria aqui e quero muito mudar isso. Tenho muitas ideias e às vezes elas ficam como um espiral em minha mente, principalmente quando vou dormir. Então preciso entender qual o melhor horário para sentar e fazer um brain dump.

A seguir mantive minha lista de desejos, com local para colocar o valor na frente. Aqui são meus desejos materiais mesmo, aquilo que preciso comprar e que preciso me planejar para isso. Nas páginas seguintes acrescentei lugares para conhecer e dividi em lugares no Brasil e no mundo. Essa não é uma página que eu vou conseguir alcançar todos os lugares esse ano, mas são os lugares que eu quero ter em mente e como metas conhecer, então escrever e consultar sempre será muito bom para não perder o foco.

A coleção seguinte tem a ver com essas duas anteriores, pois se eu quero comprar algumas coisas e viajar eu preciso economizar, então mantive a página para as minhas economias. Espero conseguir encher o potinho do desenho e precisar desenhar um novo e assim conseguir viajar e comprar alguns mimos.

Uma outra coleção que entrou esse ano á a página para acompanhar meu crescimento nas mídias, aqui do blog e lá do instagram @colorindoideiasbr. Geralmente eu faço esse acompanhamento semanal, mas agora quero ter uma visão mais ampla, mensal e anual. No blog eu consigo ter essa visão, mas o IG não tem ferramenta no app para isso.

Coloquei uma página também para anotar algumas informações importantes, como números de protocolos de atendimentos, senhas, códigos de acesso, etc. senti falta de uma pagina assim no ano passado, aí ficava colocando as informações em notas adesivas e só quando fui fazer a análise do bujo para migrar é que pensei em ter uma página dessas.

Minha próxima coleção também é nova, é uma página de dados financeiros, minha página de orçamento mensal não foi funcional, com essa página eu pretendo acompanhar melhor meus gastos, pois ficarão todos em um único local. Assim eu vou poder avaliar se estou gastando muito no cartão e controlar melhor meus gastos e consumo.

A página seguinte é uma coleção que usei ano passado, acho que foi a que mais usei, são meus livros lidos no ano… a princípio iria colocar apenas no meu registro de livros permanente, mas aqui ela faria falta. Posso dizer que é minha coleção favorita, embora eu não tenha conseguido ler minha meta de 48 livros no ano, fiquei feliz, pois consegui ler 32 até agora. Vou manter minha meta para 2019 e tentar alcançá-la.

Como em 2019 vou participar de duas leituras coletivas – Os miseráveis, Victor Hugo e Lendo Stephen King – também vou colocar uma coleção para cada uma delas, mas ainda estou pensando em como fazer o layout. Depois de pronto eu vou postar lá no IG.

Abaixo coloquei as fotos das coleções para você ver como ficaram. Ah! usei esse tom de azul da Tombow para combinar com o caderno que foi escolhido em uma enquete lá no IG há uns meses atrás. Espero que goste, abraços! Espero você aqui no próximo post.

Aprendendo fotografia #4: Composição

Mais um post falando sobre o que aprendi no curso de fotografia, já falei sobre tipos de câmeras, tipos de lentes e sobre fotometragem, dessa vez vou falar um pouquinho sobre composição que é a parte artística da fotografia, é onde colocamos o nosso jeito e nosso olhar. É através da composição que a cada fotógrafo se torna único, pois nenhum outro fará a mesma composição de uma fotografia.

Focalização

A focalização deve ser feita no assunto principal da sua fotografia, pois este é o ponto principal de sua fotografia. É aquilo para o que você quer chamar mais atenção e destacar.

Profundidade de Campo

A profundidade de campo é o range de distância em que você terá o foco na sua fotografia. A medida que eu aumento a abertura do diafragma entra mais luz na imagem e eu tenho pouca profundidade de campo, isso com que a área em foco na minha imagem seja menor.

Assim, quando o diafragma está mais fechado, entrando menos luz na imagem e isso faz com que a área em foco da minha imagem seja maior.

Regra dos Terços

O objeto não precisa estar centralizado, pois dessa maneira torna a fotografia mais interessante. Para isso usa-se a regra dos terços, que é como se fosse um jogo da velha, os pontos de interseção é onde deve estar concentrado o maior número de informações.

Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia

Usa-se a  imagem acima para arrumar a composição da fotografia, usamos o padrão 2/3 de céu e 1/3 de terra ou vice-versa, também devemos usar essa imagem para manter o horizonte alinhado, a linha do horizonte deve ficar reta.

Algumas câmeras possuem a opção de manter essa imagem na hora de fotografar, mesmo câmeras de celular.

Linhas

As linhas na sua fotografia podem estar escritas na imagem, isto é representadas por um corrimão ou meio-fio, ou podem ser linhas imaginárias, que parecem conectar dois objetos, ou um olhar.

As linhas enriquecem muito a fotografia, pois fará com que o olhar do expectador caminhe na fotografia e encontre o significado da mensagem que o artista quis transmitir.

Texturas 

As texturas são usadas para para deixar a fotografia mais interessante. Para isso devemos explorar repetições, padrões e cores.

Fundo

Devemos ter cuidado com o fundo da sua fotografia que deve ser mais neutro.

Caso queira optar por usar mais informações no fundo lembre de utilizar elementos que sejam interessantes para o contexto da imagem.

Menos é Mais

Essa regra vale para tudo na vida não é mesmo, então porque não na fotografia?

Simplifique! Não coloque muitas informações na mesma fotografia. Fotografias cheias de informações se tornam cansativas, assim menos informações farão aquilo que é mais importante se destaque e a torne mais interessante

Abaixo selecionei algumas imagens para exemplificar o que foi falado, olhe cada uma delas e pense em tudo que você leu, tente identificar cada regra.

No próximo post vou falar sobre iluminação, te espero aqui. Abraços e até la!

Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia
clique aqui para ver a imagem original
imagem disponível em clique aqui
Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia
para ver a imagem original clique aqui
Resultado de imagem para regra dos terços da fotografia
imagem original aqui
Imagem relacionada
clique aqui para imagem original

Planejando meu mês de dezembro

E dezembro chegou… será que só eu acho que o mês de dezembro passa em um piscar de olhos? Não sei se é porque são muitas atividades, muita coisa para pensar e fazer… tem lista de presentes para pensar, preços para pesquisar (afinal não dá para sair comprando sem pesquisar o melhor custo), compras para fazer, cartões para escrever (sim, ainda prefiro cartões), organizar a ceia de natal, receber a família e os amigos ou até mesmo viajar, mas o fato é que de repente já chegou o natal e o ano novo. Então é necessário planejar bem cada atividade para assim evitarmos o estresse, não é mesmo?

Hoje vou mostrar como ficou o meu mês de dezembro e também aquilo que eu mudei para melhor atender esse mês mais corrido. Então vamos lá…

Mais uma vez coloquei uma capa, mas não gostei do resultado dela, sabe quando a gente pensa uma coisa, tem uma imagem nítida na mente de como quer fazer e simplesmente não sai… pois é, foi assim esse mês com a capa de dezembro, mas coloquei aqui a primeira capa para você ver que nem sempre as coisas dão certo, mas não é por isso que vamos desistir…

Então eu fiz uma segunda capa, ou uma contracapa, se preferir, e precisei adaptar o calendário, pois é fim de ano e a quantidade de folhas do meu caderno está a conta, ele deu certinho para o ano todo. Aí acrescentei também minhas metas e espaço para a lista de livros que quero ler e que preciso comprar para o próximo ano. Abaixo eu coloco as duas imagens para você comparar.

Acabei gostando bem desse layout, pois ficou bem mais espaço para escrever minhas metas e anotar os livros, além de ter um espaço extra ali embaixo, caso precise anotar outras coisas… vamos ver se vou me adaptar a esse calendário minúsculo… pintei as bolas de natal com lápis de cor Faber-Castell SuperSoft.

Mais uma vez fiz meu quadro de inspiração, gostei do resultado da outra vez, no mês passado, então repeti esse mês… coloquei elementos natalinos e escrevi algumas palavras sobre o tema do mês, além de colocar uns detalhes que aprendi a fazer no livro Caligrafia para Relaxar. Ah! Fiz também uma página para lista de presentes…

Mais uma vez eu fiz as páginas de gratidão e de memórias, no mesmo padrão bem simples… mas estou pensando em colocar o desenho de um pisca-pisca para a página de memórias e de uma árvore de natal para a página de gratidão. O que você acha?

E finalmente minha página semanal… Mantive o mesmo layout e usei uns adesivos de uma cartela que ganhei da minha prima… As cores combinaram demais com a paleta que escolhi para esse mês… Mantive meu habit tracker nessa página, tem funcionado bem assim, pois não me esqueço de marcar as coisas mais. Fiz um sleep log também, por enquanto estou apenas marcando o tempo de sono, mas pretendo usar um color code para monitorar também minha qualidade de sono.

Esse desenho que fiz aí é para um desafio semanal de um grupo que faço parte e esse mês o tema é Natal… essa semana o tema será doces natalinos.

Era isso que eu tinha para falar do meu planejamento de dezembro, ele ficou bem clean, sem muita coisas, mas tem sido bem funcional. Espero que tenha gostado…

Esse mês ainda vou colocar aqui uma retrospectiva de cada parte do meu bullet journal, aí vai dar para ver como ele mudou durante o ano e como foi ficando do jeito que eu queria. Além de ver que eu melhorei um pouquinho na técnica de fotografia, composição de fotos e no lettering.

Se quiser me acompanhar se inscreve aqui na página que a cada post novo que sair vai chegar um e-mail para você.

Abraços e até lá!

Aprendendo fotografia #3: Fotometragem

Fotometragem significa medir a luz, assim como fotografia é escrever com a luz, desta forma, para que haja uma fotografia de qualidade e que eu consiga extrair uma boa imagem é necessário saber usar adequadamente a iluminação, assim será possível extrair aquilo que quero da imagem.

Posso, por exemplo, usar menos luz e ter uma imagem com efeito gótico ou aumentar muito a iluminação e ter uma foto mais estourada, tudo depende daquilo que eu pretendo atingir com a imagem.

Para isso é necessário combinar a abertura do Diafragma com a Velocidade do obturador.

Diafragma

É o diâmetro de abertura da lente e é representado pela letra F e por um número. Quanto menor o número do diafragma mais aberto ele estará e mais luz entrará na imagem, sendo maior o desfoque do fundo. Quanto maior o número do diafragma mais fechado ele estará e menos luz entrará na imagem com mais áreas em foco.

Abaixo o esquema que representa a abertura do diafragma, essa abertura pode ser controlada pelo indicador de abertura do diafragma nas configurações da câmera.

Velocidade do Obturador

Essa é mais uma forma de configurar a entrada de luz em nossa imagem, é como se fosse  uma cortina que protege a câmera da luz e posso definir a velocidade que essa cortina ficará aberta. Quando a cortina está aberta a luz entra e registra a imagem no sensor.

Essa velocidade é medida em segundos ou em frações de segundos e quanto maior a fração de segundos, mais rápido a cortina do obturador vai abrir e fechar e com isso vai entrar menos luz no sensor.

Atenção: Quanto mais tempo o obturador ficar aberto mais a imagem vai borrar.

Veja a imagem abaixo para ver a representação gráfica da velocidade do obturador, observe a representação da luz na área branca.

Exposição

A exposição mostra se a definição da medição da luz foi correta, é a combinação da abertura do diafragma e da velocidade. 

Na câmera há o fotômetro que mostra se a nossa exposição está ideal, subexposta ou superexposta. A fotografia subexposta é uma imagem escura, e o fotômetro estará mais a esquerda, já a fotografia superexposta é uma fotografia muito clara, onde entrou muita luz, o fotômetro estará mais para a direita.

Mais uma vez é bom lembrar que o fotógrafo tem liberdade de escolher fazer uma foto mais escura ou mais clara propositalmente, depende daquilo que quero representar ou mesmo do gosto pessoal.

ISO

É mais uma opção que temos para aumentar a iluminação da foto e quando já fizemos todas as configurações de diafragma x velocidade e ainda sim temos dificuldade na iluminação, nesse caso aumentar o ISO nos ajudará a ter mais claridade na imagem. Quanto mais aumentarmos o número do ISO mais iluminação, no entanto,  nossa fotografia pode ficar com mais ruído, vão aparecer uns pontinhos na imagem.

Histograma

O histograma é um gráfico que avalia como foi feita a exposição da fotografia. O ideal é que seja uma gráfico mais para o cinza, mais centralizado. Do lado esquerdo a quantidade de pontos totalmente escuros (preto) e do lado extremo direito encontramos a quantidade de pontos totalmente claros (branco).

Hoje era isso que eu tinha para mostrar, espero que você tenha gostado. Treine bastante aí que eu sigo treinando aqui e no próximo mês eu vou falar sobre composição da fotografia. se ficou alguma dúvida deixe nos comentários aqui em baixo. Um abraço!

Indicação de leitura – O homem de giz

O livro que eu vou indicar hoje é bem diferente do que eu costumo mostrar por aqui, mas é um gênero que eu tenho gostado muito ultimamente, suspense. Outra coisa que eu gosto é que o tempo da narrativa oscila entre presente e passado, acho que esse recurso torna a história bem mais interessante e dinâmica.

Mas vamos conhecer um pouco do livro…
O homem de giz, J.C. Tudor, editora Intrínseca, 270 páginas, capa dura, papel pólen 80g/m².
Assassinato e sinais misteriosos em uma trama para fãs de Stranger Things e Stephen King

Em 1986, Eddie e os amigos passam a maior parte dos dias andando de bicicleta pela pacata vizinhança em busca de aventuras. Os desenhos a giz são seu código secreto: homenzinhos rabiscados no asfalto; mensagens que só eles entendem. Mas um desenho misterioso leva o grupo de crianças até um corpo desmembrado e espalhado em um bosque. Depois disso, nada mais é como antes.

Em 2016, Eddie se esforça para superar o passado, até que um dia ele e os amigos de infância recebem um mesmo aviso: o desenho de um homem de giz enforcado. Quando um dos amigos aparece morto, Eddie tem certeza de que precisa descobrir o que de fato aconteceu trinta anos atrás.

Alternando habilidosamente entre presente e passado, O Homem de Giz traz o melhor do suspense: personagens maravilhosamente construídos, mistérios de prender o fôlego e reviravoltas que vão impressionar até os leitores mais escaldados.


A editora nos apresenta quatro motivos para lermos o livro:
Nostalgia
A história se passa em 1986 e traz elementos clássicos da década. A tecnologia forense da época dificultava as investigações, e a falta de internet faz com que a dinâmica do grupo de amigos seja totalmente diferente da dos dias atuais.

Mistério com um toque de terror

É um livro para os fãs de Stranger Things e Stephen King. O Homem de Giz faz o leitor duvidar de todos os personagens, perder o fôlego nas várias reviravoltas e passar a noite acordado com os trechos macabros. Longe de ser maniqueísta, a história traz personagens complexos que enfrentam traumas e conflitos pessoais.

Uma história sobre crescimento

Parcialmente narrado por uma criança de 11 anos, acompanhamos no livro o fim da infância de um grupo de amigos que precisam enfrentar terrores além da sua imaginação, uma ferida que permanecerá com eles até adultos.

A edição
A edição do livro é um motivo por si só: com capa dura, lombada cheia de homens de giz, páginas pretas e ilustrações nas primeiras folhas. Um ótimo presente para seu amigo ou para você mesmo.

thriller, mistério, terror, assassinato, stephen king, stranger things

Bem, era isso que eu tinha pra falar desse livro… Recomendo muito a leitura e espero que você tenha gostado da indicação. Em breve trarei mais indicações de livros por aqui. Abraços e até lá!

Caligrafia para relaxar #4

Olá! Depois de um tempo sumida daqui (por favor, não desistam de mim) voltei com mais um post sobre meu avanço nas lições do livro Caligrafia para Relaxar – Amy Latta. Hoje vou falar sobre as lições 12 a 16, se você ainda não viu e quiser ler os outros é só clicar no link do post que vou colocar aqui: Caligrafia para relaxar #1, Caligrafia para relaxar #2 e Caligrafia para relaxar #3.

Então vamos começar… Na lição 12 aprendemos a misturar as cores, a autora indica a Tombow, mas você também pode usar outras canetas a base de água. São dois os métodos que podemos utilizar – O primeiro é o que usamos a tinta como uma paleta de pintura, para isso basta colocar a tinta em uma superfície plástica, a tinta não seca e você pode usar como se fosse um godê, aí coloca a cor mais escura nessa superfície e passe a ponta de uma caneta mais clara na tinta. Pronto… agora é só escrever.

O outro método é mais complicado, pelo menos para mim, e também é necessário ter uma caneta blender (é uma caneta misturadora específica para mesclar os tons). Ele funciona assim: escreve a palavra com uma cor mais clara, aí em algumas partes acrescenta uma cor mais escura, após use a caneta blender para mesclar as cores e deixar um efeito natural, o resultado fica lindo, mas cuidado com o papel que você vai usar, pois como é um tipo de arte molhada ele pode furar.

Abaixo coloco as fotos das canetas que testei com esses métodos e que deram certo.

E finalmente a frase que escrevi usando o primeiro método… usei a caneta Koi nas cores Lavander e Lilac (aquelas da foto aí em cima) para dar o efeito na palavra BELEZA.

No capítulo 13 a proposta é misturar fontes como um profissional, as dicas que a autora dá são para misturar dois a três tipos de letras, mais que isso vai ficar muito poluído. As outras dicas são ideias de qual formatos misturar… Aí são sugestões e cada um prefere a seu jeito. Abaixo minha frase… não gostei o efeito da caneta pincel, a página do livro tem papel poroso e absorve a tinta.

No capítulo 14 a ideia é a de acrescentar molduras e cantos a arte final, confesso que acho esses capítulos meio enrolação, pois daria para colocar todos esses elementos em um único capítulo. Outra coisa que também não entendo é que a moldura fica desnecessária, pois o livro já traz uma moldura para escrevermos a frase, então se colocarmos mais coisas fica pesado e traz a sensação de poluição visual.

Mas achei muito fofa essa margem todinha em grãos de café… então você ja sabe, essa margem e os desenhos já vem no livro, eu só pintei.

O capítulo 15 traz a mesma proposta do capítulo 14, ou seja, nada de técnica de caligrafia ou lettering, o título é divirta-se com floreios… floreios em curvas, floreios sobrepostos e floreios em letras. E mais uma vez não foi possível usar os floreios na arte final, pois já tem muita coisa na margem, então usei nas letras.

O capítulo 16 traz uma nova opção de alfabeto para usarmos e achei ele bem legal, ficou com o visual bem bonitinho… a autora chama de alfabeto de bolinhas e traz o exemplo de todas as letras, maiúsculas e minúsculas, mas ele consiste basicamente em colocar uma bolinha em cada lugar de junção da letra, assim fica bem charmoso. Ah! Na letra O basta colocar a bolinha na parte superior, que seria o encontro das linhas e no final de cada uma. Abaixo você pode ver melhor como fica bonito.

Bem… essas foram as lições que eu já conclui no livro, algumas foram bem rápidas de fazer e outras eu demorei mais para executar a técnica com mais habilidade. Espero que tenham gostado…

Em breve trago mais um pouquinho da minha evolução com o livro Caligrafia para relaxar, também vai ter post sobre fotografia e as cinco coisas que… Um abraço.